FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

Custo da construção cai e fecha agosto em 0,32%

Custo da construção cai e fecha agosto em 0,32%
28/08/2012 11:13 - AGÊNCIA BRASIL


O Índice Nacional de Custo da Construção–Mercado (INCC-M) registrou taxa de variação de 0,32% em agosto, uma redução de 0,53 ponto percentual na comparação com o mês passado (0,85%). No acumulado do ano, o índice apresenta variação de 6,21%. Nos últimos 12 meses, a taxa acumula 7,48%. O INCC-M, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), foi calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 de julho e 20 de agosto.

O resultado foi pressionado, principalmente, pela taxa de variação do grupo mão de obra, que passou de 1,05% para 0,28%, uma queda de 0,77 ponto percentual. A maior redução nesse grupo foi registrada no item mão de obra especializada (de 1,29% para 0,13%). Os demais itens também tiveram decréscimo: técnico (de 0,97% para 0,19%) e auxiliar (de 1,06% para 0,41%).

De acordo com a FGV, a redução no custo da mão de obra foi consequência do fim do impacto do reajuste salarial ocorrido em Brasília, assim como da diminuição da taxa de Porto Alegre, que passou de 3,16% para 2,14%.

O grupo materiais, equipamentos e serviços teve redução de 0,27 ponto percentual, passando de 0,63% para 0,36%. Um dos itens que compõem o grupo, materiais e equipamentos (0,37%), caiu 0,31 ponto percentual na comparação com o mês anterior (0,68%). Nesse item, três dos quatro subgrupos tiveram redução: materiais para estrutura (de 0,81% para 0,31%), materiais para acabamento (de 0,61% para 0,55%) e equipamentos para transporte de pessoas (de 0,81% para 0,08%). O custo dos materiais para instalação foi o único com acréscimo, de 0,23% para 0,50%.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".