Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

Cuidados na hora de fazer a escolha

25 MAR 2010Por 00h:26
de esportes radicais, Ricardo Maidana alerta para que os aventureiros, ou até mesmo empresas ou instituições interessadas nesse tipo de esporte, busquem informações sobre quem estará responsável pela parte de segurança e instrução. “Existem muitas pessoas que se intitulam instrutores, mas, na verdade, não têm certificação e autorização para fazer tal atividade. Uma coisa é você gostar e ter noções e outra é ter habilitação para isto”, frisa. Ricardo faz as mesmas considerações sobre entidades que possam se apresentar como Organização Não-Governamental (ONG) e até oferecer a atividade voluntariamente. “Às vezes, as pessoas acreditam que por ser gratuito não têm o direito de saber sobre a documentação, as competências de quem está oferecendo a atividade. Mas uma coisa é certa: a vida e a integridade física é o bem maior de cada um”, diz. Outra sugestão é saber se a empresa ou ONG possui autorização do Corpo de Bombeiros, da Fundação Estadual de Turismo (Fundtur) e ainda alvará da prefeitura para trabalhar com turismo e esportes de aventura, seja ao ar livre ou indoor. “Quem trabalha na clandestinidade, além de colocar em risco a saúde e a vida das pessoas ainda pratica atividade comercial com sonegação de tributos”, finaliza. A dica final é para que os aventureiros não se esqueçam de passar filtro solar, usem roupas mais leves (shorts, calças de tecidos mais aconchegantes, camisetas), de preferência que calcem tênis, não ingiram bebida alcoólica antes das atividades e ainda que leve frutas ou lanche leve para repor as energias. Água é indispensável. Serviço Custo: Depende da localidade e duração da atividade. Em Campo Grande média de R$ 70,00. Turmas: individual R$ 70,00 para grupo de 10 pessoas com duração de 4 horas de atividades. Não incluso transporte. Para saber mais sobre esportes radicais ligue: 3326-6820 ou 9115-1864 (Eliane) ou 9111-2021 (Ricardo).

Leia Também