segunda, 16 de julho de 2018

LIBERDADE

Cuba liberta mais um dissidente preso

13 NOV 2010Por ESTADÃO16h:26

José Luis Ramil Navarro, dissidente cubano preso cuja libertação foi anunciada em outubro pela Igreja Católica, foi solto nesta semana, tal como informaram nesta sexta-feira, 12, à Agência Efe fontes na ilha caribenha.

Navarro não pertencia ao Grupo dos 75 opositores condenados durante a onda repressiva da Primavera Negra de 2003 e todos considerados prisioneiros de consciência pela Anistia Internacional.

Ele foi preso em 1994 por "pirataria" (tentativa ilegal de sair do país via marítima), recebendo pena de 12 anos e meio de prisão, que posteriormente foi ampliada em 13 anos por tráfico de drogas cometido quando estava em liberdade condicional dois anos antes de completar sua primeira pena.

O prisioneiro chegou nesta quinta-feira a Madri junto a seis parentes, após sair da prisão na quarta-feira.

As informações foram fornecidas nesta sexta-feira à Efe pela dissidente Marta Beatriz Roque (do Grupo dos 75), em liberdade por motivos de saúde.

Para ela, no entanto, Navarro não era preso político, já que cumpria atualmente pena por tráfico de drogas.

Elizardo Sánchez, da Comissão de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN) também questiona essa consideração de "político" para Navarro, quem não está na lista dessa organização sobre pessoas punidas ou processadas na ilha por motivos políticos ou político-sociais.

Com este caso, já são 47 os presos cubanos libertados e levados à Espanha no processo iniciado por Havana em julho passado, fruto de um acordo inédito - apoiado por Madri - entre a Igreja Católica e o governante Raúl Castro.


 

Leia Também