Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

internacional

Cruz Vermelha se prepara 'para o pior' no confronto líbio

10 MAR 2011Por veja online14h:00

O presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), Jakob Kellenberger, afirmou nesta quinta-feira que a organização está pronta para os piores cenários possíveis na Líbia, país que mergulhou num brutal conflito entre as forças do ditador Muamar Kadafi e os rebeldes que tentam derrubar seu regime. "Temos que nos preparar para o pior", declarou Kellenberger em Genebra. Na opinião dele, o uso do termo "guerra civil" é adequado para classificar o que acontece no país.

"Sempre temos que nos preparar para o pior. Nesse caso específico, temos que nos preparar para uma intensificação dos combates", avisou. "Neste momento, creio que temos um conflito armado internacional." Também nesta quinta, o regime do coronel Muamar Kadafi lançou novos ataques aéreos contra a região estratégica de Ras Lanuf, cidade petroleira tomada pelos insurgentes. A região é considerada um ponto de importância estratégica na luta pelo controle do território líbio.

'Calma' - De acordo com uma testemunha ouvida pela agência de notícias France-Presse, a cidade de Zawiya, 40 quilômetros a oeste de Trípoli, voltou ao controle das forças leais a Kadafi. Depois de vários dias de combates violentos com os insurgentes, "a cidade está sob controle do Exército", afirmou por telefone um morador. "Os combates terminaram na noite passada. Nesta quinta, a situação é calma. Estou aproveitando para deixar a cidade com a minha família", completou.

Zawiya foi alvo de ataques em série pelas forças de Kadafi nos últimos dias. Os rebeldes haviam tomado o controle da cidade, onde muitos militares têm residência, pouco depois do início da revolta contra o ditador, em 15 de fevereiro. Zawiya era até o momento o reduto mais próximo da capital sob controle dos insurgentes. Na quarta, a rede britânica BBC anunciou que três jornalistas foram detidos e agredidos por forças do governo nos arredores da cidade. Os três já foram soltos.

(Com agência France-Presse)

Leia Também