Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 13 de dezembro de 2018

Cinema

Crítica internacional recebe "Trabalhar Cansa" com moderação

16 MAI 2011Por FOLHA04h:00

Depois de três dias absolutamente intensos, os jovens diretores brasileiros Juliana Rojas, 29, e Marco Dutra, 31, puderam, enfim, respirar.

Aconteceu hoje a quarta projeção de "Trabalhar Cansa", único filme brasileiro da seleção oficial de Cannes este ano.

Aconteceram também as últimas rodadas de entrevistas e, além disso, foram publicadas as críticas, não só nos jornais brasileiros, mas também na imprensa internacional.

"Trabalhar Cansa" teve sua primeira exibição mundial na quinta-feira, durante uma sessão de gala da mostra Un Certain Regard _ que traz também filmes de Gus Van Sant, Robert Guédiguian e Hong Sangsoo, entre outros.

Ontem, com olheiras que denunciavam a noite passada quase em claro e a tensão acumulada, Rojas e Dutra não se cansavam de lembrar o som dos aplausos ao fim da sessão.

Mas mais agitada que a dupla estava a produtora Sara Silveira, que já estivera com eles aqui, em 2007, apresentando o curta "O Ramo".

De tanto falar nas últimas 24 horas, Silveira quase não tinha mais voz.

Mas na noite de quinta-feira, ela, que é piadista e despachada, perdeu o traquejo e foi visitada pela emoção ao apresentar o filme no palco do Grand Théâtre Lumière.

Dutra, por sua vez, confessou, meio sem jeito, que o momento de maior nervoso foi a passagem pelo tapete vermelho.

Já Rojas sentiu as lágrimas saltarem quando, no palco, foi agradecer os pais, que estavam na plateia.

A emoção à flor da pele se justifica.

A mostra Un Certain Regard, a segunda mais importante de Cannes, depois da competição, é um daqueles funis pelos quais pouquíssimos diretores conseguem passar.

Além de concorrer ao prêmio Um Certain, "Trabalhar Cansa" disputa a Camera d'Or. Esse prêmio abarca filmes exibidos em todas as seleções e destina-se a realizadores que estão aqui com seu primeiro longa-metragem.

O presidente do júri da Camera d'Or, este ano, é o sul-coreano Bong Joon-ho, autor de "O Hospedeiro" e "Mother", filmes que, claramente, têm algum parentesco com o estilo que a dupla brasileira, desde seu primeiro curta, vem desenvolvendo.

VISÃO ESTRANGEIRA

Filme arriscado, por brincar com o cinema de gênero e desafiar as convenções do realismo --mesmo sendo realista--, "Trabalhar Cansa" foi, de modo geral, recebido com respeito, mas com algumas ponderações, pela crítica internacional.

Ajay Wissberg, da "Variety", leu o filme pela chave simbólica. Para ele, o filme brasileiro traz implícita _ e até explícita _ uma mensagem contra os efeitos do capitalismo sobre as relações sociais e pessoais.

"Incapaz de induzir a verdadeiros calafrios [como aqueles que os espectadores dos filmes terror espera sentir] com sua filosofia econômica, o filme terá dificuldades para encontrar seu público", antevê o crítico da "Variety".

Apesar de a indefinição de gêneros --"entre o horror o comentário social"-- também ter sido vista com certo pé atrás por Wissberg, ele elogiou os aspectos visuais do filmes, capazes de criar uma atmosfera de opressão, e também a música, utilizada com o máximo cuidado.

O texto da "Screen" chama a atenção para a história bem construída, "cheia de paralelos e espelhos irônicos", e para a qualidade do elenco. Faz, porém, algumas ponderações.

"[O filme] é, simplesmente, menos envolvente e menos urgente que outros filmes de arte que lidam com o real e o sobrenatural, como 'Deixe Ela Entrar' ou 'O Hospedeiro", escreveu Lee Marshal.

Dentre os grandes veículos dedicados ao cinema, que circulam aqui em Cannes, o único que parece ter realmente torcido o nariz para "Trabalhar Cansa" é a "Hollywood Reporter". Para o crítico da revista, trata-se de um "filme ambicioso", que "promete mais do que é capaz de entregar".

Mas, para Juliana Rojas e Marco Dutra, o simples fato de terem merecido uma avaliação crítica desses veículos "já deve ter sido mais do que eram capazes de imaginar" para seu primeiro (e barato) filme.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também