Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RIO DE JANEIRO

Crise no ensino cria atritos entre MEC e reitores de federais

Crise no ensino cria atritos entre MEC e reitores de federais
16/01/2014 17:00 - FOLHA PRESS


Diante do iminente fim das atividades acadêmicas das universidades Gama Filho e UniverCidade, o destino dos 9.500 alunos das duas instituições particulares do Rio permanece incerto.

O MEC (Ministério da Educação) ainda prepara um edital para definir a transferência dos estudantes para outras universidades privadas, que só deverá ficar pronto na próxima semana.

Anteontem, cerca de 700 alunos e funcionários das universidades fizeram um protesto no centro do Rio.

A discussão sobre o futuro dos estudantes também provocou um desgaste na relação entre o MEC e os reitores das universidades federais do Rio por causa da decisão deles de divulgar nota conjunta em favor da federalização das duas universidades.

"Federalização exige professor concursado e aluno selecionado pelo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), o que não é o caso. A posição dos cinco reitores está desconectada com a ordem jurídica vigente", disse à reportagem Jorge Messias, secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do MEC.

Na nota, os reitores afirmavam que o governo federal tem "condições técnicas e políticas" para implementar sua sugestão.

Ontem, até o início da noite, apenas o reitor da Universidade Federal Fluminense, Roberto de Souza Salles, sustentou a posição defendida no texto.

"Com vontade política, é possível sim encontrar os instrumentos legais para federalizar", disse Salles.

Diretor do Cefet-RJ (Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca), Carlos Henrique Figueiredo Alves, disse à reportagem que a nota foi mal interpretada.

"A federalização em momento nenhum soluciona o problema em questão", disse Alves. "O MEC já está tomando as medidas cabíveis para acolher esses alunos em outras universidades."

Procurado pela reportagem, o reitor em exercício da UFRJ (Universidade Federal do Rio), Antônio José Ledo Alves da Cunha, preferiu não conceder entrevista. Em nota, ele afirmou que a "UFRJ está acompanhando o encaminhamento do MEC e tem interesse em participar do processo para evitar prejuízos à formação dos estudantes."

A assessoria do reitor da Unirio (Universidade Federal do Estado do Rio), Luiz Pedro San Gil Jutuca, informou que ele não poderia falar sobre o assunto por causa de compromissos em Brasília. A reitora da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio) não foi localizada. 

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!