Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 16 de fevereiro de 2019 - 09h28min

Artigo

Crianças no banco de trás

19 FEV 10 - 10h:23
Infelizmente eu tenho sempre de bater na mesma tecla: a de que ainda não sabemos cuidar de nossas crianças. Um exemplo disso é que no Brasil mais de 1.200 crianças morrem por ano em decorrência de acidentes de automóvel. Uma das causas do alto número de acidentes é o hábito de se transportar as crianças soltas ou no colo de um adulto – em caso de colisão, elas podem ser expelidas do veículo ou arremessadas contra as partes internas dos mesmos (vidros, painel, bancos). A regra é clara para transporte de crianças no carro é o lugar delas é no banco traseiro (no centro do banco, de preferência), e propiciando pelo uso da cadeirinha de segurança. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) determina, em seu artigo nº 64, que crianças de até 10 anos devem ser transportadas nos bancos traseiros e usar, individualmente, cinto de segurança ou sistema de retenção equivalente (Resolução nº 15, Art. 1º). Desde os primeiros passeios o bebê já deve ser acomodado em uma cadeirinha própria (mais segura do que o colo da mãe). Também conhecidas como bebê conforto (em forma de concha), as cadeirinhas são pequenas, confortáveis e adequadas aos recém-nascidos. Só podem ser instaladas no banco traseiro e voltadas para trás (de costa para frente do carro) e possuem cintos de três ou cinco pontos. Instalado dessa forma o bebê tem seu pescoço protegido em casos de acidente ou freada brusca, quando o seu corpo tende a ir para frente por inércia. A cabeça de um bebê com idade inferior a um ano representa quase metade do seu peso total, por isso é importante que essa região do corpo esteja bem acondicionada e protegida, já que qualquer desaceleração brusca pode provocar danos irreparáveis na coluna cervical. E em função dessas informações chamo a atenção dos pais para que fiquem atentos ao transporte de crianças em veículos automotores para que venhamos a ter no futuro um número cada vez menor de famílias tristes por acidentes com seus entes queridos, notadamente as crianças. Quero enfatizar o que diz o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e a Resolução de número 277 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que regulamenta o transporte de crianças de até dez anos em veículos. Segundo a norma, crianças de até sete anos e meio deverão ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro e em dispositivos de retenção; acima dessa idade, deverão utilizar o cinto de segurança do veículo. A mesma normativa reforça o que comentei anteriormente que crianças de até um ano de idade deverão ser transportadas no equipamento denominado conversível ou bebê conforto e acrescenta que crianças entre um e quatro anos devem ficar em cadeirinhas. E aquelas de quatro a sete anos e seis meses precisam ser dispostas em assentos de elevação. O uso dos dispositivos de retenção não será exigido para os veículos com peso bruto total superior a 3,5 toneladas, os de transporte coletivo, táxi e escolares. É necessário se apressar já que a partir de junho de 2010, será iniciada a fiscalização do uso dos equipamentos de retenção, conforme o que está descrito na normativa. Se não conduzidas adequadamente, em casos de acidentes, as crianças podem ficar com sequelas irreversíveis, por não estarem utilizando um sistema de retenção de impacto.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Carne assada: fácil de fazer  e rende muito; veja receitas
GASTRONOMIA

Carne assada: fácil de fazer e rende muito; veja receitas

Motoqueiros batem de frente   e morrem em bairro de Dourados
TRAGÉDIA

Motoqueiros batem de frente
e morrem em bairro de Dourados

Shih tzu e maltês estão entre 1.500 animais resgatados de canil de SP
MAUS TRATOS

Shih tzu e maltês estão entre 1.500 animais resgatados de canil de SP

Jovem bate carro em poste   e morre em Corumbá
TRÂNSITO

Jovem bate carro em poste e morre em Corumbá

Mais Lidas