Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Crianças dos Ceinfs comem sobras de alimentos das escolas da Reme

Crianças dos Ceinfs comem sobras de alimentos das escolas da Reme
20/02/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Mesmo após a normalização do fornecimento de alimentos nas escolas do município e dos Centros de Educação Infantil (Ceinfs) no segundo semestre do ano passado, alguns problemas relativos à qualidade da merenda, vistos durante quase todo o ano passado, nas creches da Capital, voltaram a se repetir nos primeiros dias deste ano letivo, segundo reportagem na edição de hoje (20) do jornal Correio do Estado. Pais, que preferem não se identificar, reclamam da falta de alguns alimentos, sobretudo de carne, nas refeições servidas às crianças. Também há queixas de falta de gás de cozinha, e de problemas estruturais nas unidades. Servidores, por sua vez, dizem que parte dos alimentos servidos nos Ceinfs são as sobras das escolas da Rede Municipal.  

"Está chegando comida para os Ceinfs, mas só carne moída''. Servidora de Ceinf.

“Problemas sempre existiram, mas, agora, a situação está muito mais evidente”, disse uma servidora, que trabalha em um dos 96 Ceinfs de Campo Grande. A denúncia é a falta de carne em algumas unidades, o que leva o município a servir uma merenda menos diversificada. Em uma unidade visitada pela equipe de reportagem, as crianças vêm comendo somente ovo, há algum tempo. Em outra, só há carne moída.

"Está chegando comida para os Ceinfs, mas só carne moída”, diz um servidor, expondo a realidade vivida por alguns centros. Ele informa que parte dos estoques é fruto dos alimentos que sobram nas escolas municipais.

A Prefeitura de Campo Grande informou que não procede a notícia sobre racionamento de carne nos Ceinfs.  A reportagem é de Daniel Campos

Felpuda


Ao que tudo indica, partido teria criado “racha” apenas visando jogar para a plateia, e, assim, quem estava com a corda toda anunciou que se prepara para o desembarque. Nos bastidores o que se ouve é que o tal fundo partidário seria o motivo da desavença e que quem nunca comeu mel quando come se lambuza. Só que não. A estratégia é continuar “dono” da atual legenda e “tomar a frente” de partido que está em fase embrionária. Tudo inspirado na “velha política”.