Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COOPHAVILA II

Criança de 9 anos morre afogada na piscina de casa

Criança de 9 anos morre afogada na piscina de casa
06/01/2014 14:45 - Gabriel Maymone


Um menino de 9 anos, com síndrome de down, morreu afogado na piscina de casa depois que os pais o deixaram sozinho para verem o caso de uma mulher de 47 anos encontrada morta na casa da frente, no bairro Coophavila II, em Campo Grande.

Segundo relatado pela mãe à polícia, por volta das 18h de ontem (5) ela deu mamadeira para a criança, a deixou no quarto e foi para a sala com o marido e os outros filhos. Em seguida, uma prima chegou na casa dela, a chamando para ver uma movimentação policial na rua, por conta de uma mulher encontrada morta na casa da frente, aparentemente por causas naturais.

A mãe relatou à polícia que ficou por cerca de 5 minutos na frente da casa e, quando entrou para verificar como estava o filho, o encontrou boiando na piscina. Ela informou que a criança não sabia andar, apenas engatinhava, e que o portão que dá acesso à piscina sempre fica fechado. Ela acredita que o filho tenha ido até a porta e balançado até conseguir abrir.

A criança chegou a ser socorrida e encaminhada para a unidade de saúde do Coophavila, sendo transferida em seguida para o Hospital Universitário, onde morreu. O caso foi registrado como morte a esclarecer.

Outra morte
Na casa da frente, a mulher de 47 anos foi encontrada morta pela nora. Segundo a polícia, a nora chegou na casa e foi recepcionada pela neta da vítima, uma menina de 5 anos, que informou que a avó estava dormindo. Mas ao entrar na casa, a mulher constatou que a avó da criança estava sem vida.

Ela foi encontrada com uma bíblia aberta entre os pés. Familiares informaram à polícia que a vítima reclamava muito de dores nas costas, estômago e cabeça.

Felpuda


O desgaste de antigas lideranças nacionais, com reflexo em nível local, é a maior preocupação dos dirigentes de partidos para as eleições deste ano, que terá reflexo em 2022. Em épocas passadas, essas figurinhas cruzavam os céus do País para visitarem os municípios e pedirem que a população votasse em seus ungidos. Agora, com pendências judiciais e poder enfraquecido, dificilmente seriam convidadas. A pandemia, que resultou no isolamento social, foi a pá de cal.