Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SELEÇÃO BRASILEIRA

Criador temeu fim de modelo da camisa

Criador temeu fim de modelo da camisa
01/01/2014 00:00 - FOLHAPRESS


Apesar de já ter apresentado ao longo de seus 60 anos de história muitas variações, a camisa amarela com detalhes em verde sempre foi um dos principais símbolos da seleção brasileira. O desenho original do uniforme foi escolhido em dezembro de 1953, em concurso promovido pelo jornal carioca "Correio da Manhã". O regulamento do concurso exigia que as propostas de uniforme tivessem as quatro cores da bandeira brasileira. Entre os cerca de 200 trabalhos inscritos, destacou-se o do desenhista gaúcho Aldyr Schlee, então com apenas 19 anos. "Deixei as duas cores mais características da nossa nacionalidade, que são o verde e o amarelo, na camiseta e usei o branco e o azul nos espaços neutros do uniforme, que são o calção e as meias", lembra Schlee.

"Fiz um conjunto bonito e que obedecia às exigências do concurso", afirma Schlee, que também é escritor, tradutor e professor universitário. O motivo da mudança nas cores do uniforme é controverso. Muitos dizem que a camisa branca foi aposentada após a derrota na final da Copa de 1950 por ter sido considerada de má sorte. Mas Schlee afirma que na época não se dizia isso do conjunto. Para ele, o objetivo da mudança, na verdade, era aumentar a identificação da seleção brasileira com o país. "A camisa branca ou azul não tinha uma relação com as cores do Brasil. O azul e o branco, sozinhos, estão muito mais próximos da Argentina e do Uruguai", diz.

Apesar do sucesso de seu modelo no concurso, Schlee temeu que ele fosse substituído após o fracasso do Brasil no Mundial de 1954, na Suíça, quando a seleção foi eliminada nas quartas de final. "Achei que o fiasco condenaria para sempre aquele modelo. Mas as cores continuaram e, a partir de 1958, foi o próprio futebol brasileiro que consagrou esse uniforme", afirma o desenhista. Mesmo levando em conta que, por razões comerciais, a camisa da seleção precisa mudar constantemente, Schlee critica vários dos modelos recentes. Em especial, o atual. 

"É ridículo. É mais um desrespeito ao nosso futebol. Criaram um modelo com a gola em "Y' que eu considero uma camisola de pijama", diz. Entre as camisas posteriores à criada por ele, Schlee elogia o da Copa de 70. "Ficou muito bonita", afirma. 

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...