Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

BRASIL

Criada empresa para administrar transporte de etanol

2 MAR 11 - 05h:49AGÊNCIA BRASIL

Para reduzir custos com o transporte rodoviário até os centros consumidores de etanol e diminuir o impacto ao meio ambiente, a Petrobras e empresas dos setores de construção civil e sucroalcooleiro anunciaram ontem (1º) a criação da Logum. A empresa de logística será responsável pelo transporte do combustível principalmente por dutos e hidrovias.

"Temos como base reduzir o custo logístico dos nossos clientes, baixar a tarifa. Mesmo quem não for usar o sistema se beneficiará da queda do preço do frete", afirmou o presidente da Logum, Alberto Guimarães. "Ao lado disso, a nossa estimativa é deixar de lançar 7 milhões toneladas de CO2 [gás de efeito estufa] por ano. Sem contar a redução do custo de manutenção de estradas", completou.

Com investimento de R$ 6 bilhões previsto até 2020, o sistema multimodal, que também inclui transporte rodoviário para curtas distâncias, terá 1,3 mil quilômetros de extensão e atravessará 45 municípios, integrando os estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso - os maiores produtores de etanol no país. As licenças ambientais para a obra já foram emitidas.

A previsão é transportar pelo menos 21 milhões de metros cúbicos de etanol por ano para a região do entorno de São Paulo e do Rio de Janeiro, quando todo o sistema estiver pronto, em 2020. A quantidade equivale a cerca de um terço da produção estimada para aquele ano.

De acordo com Alberto Guimarães, a nova empresa atenderá o mercado e não priorizará as companhias sócias do empreendimento. Para isso, a Logum terá a capacidade de atender o dobro da produção das participantes. "O empreendimento vai atender uma demanda do mercado, não a dos sócios", disse Marcos Lutz, presidente do conselho de administração da empresa.

Para 2016, a previsão é de construir o último trecho do sistema até um dos terminais em São Paulo. Hoje, a maior parte do produto é levada até os terminais por meio de caminhões. O local ainda não foi definido, mas os executivos cogitam que seja em São Sebastião ou em Caraguatatuba.

"Se exportássemos 5 milhões de metros cúbicos de etanol por ano como foi em 2008 [recorde] um terminal em Caraguatatuba já se justificava. Mas esse número não se repetiu mais", afirmou Guimarães. "Não tenho dúvidas que o Brasil será um grande exportar de etanol, mas os investimentos são feitos em função da previsão de alta de vendas", acrescentou.

Até o ano que vem, fica pronto o primeiro trecho do sistema, entre Paulínia e Ribeiro Preto, em São Paulo. O custo é de cerca de R$ 900 milhões.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

OPINIÃO

Calos Lopes dos Santos: "Primeiro a educação, depois as leis"

Advogado

Felpuda

BRASIL

Após novo caso, Brasil perderá status de país livre do sarampo

BRASIL

Delegado da Baixada Fluminense atuará na 2ª fase do caso Marielle

Mais Lidas