Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Cresce pressão para a prefeitura conter expansão imobiliária

4 MAR 10 - 05h:45
Depois dos estragos provocados pela tromba d’água do último sábado, que castigou as regiões norte e leste de Campo Grande, a prefeitura está sendo pressionada a adotar medidas urbanísticas restritivas para conter o processo de expansão imobiliária às margens dos córregos Sóter e Prosa, que com o temporal transbordaram deixando um rastro de destruição principalmente nas avenidas Ceará, Ricardo Brandão, Afonso Pena e Via Parque. A promotora de Meio Ambiente, Mara Cristiane Crisóstomo Bravo, abriu inquérito civil para apurar as causas do desastre. Ela solicitou um laudo técnico e vai recomendar ao prefeito Nelsinho Trad que suspenda a tramitação de todos os projetos de licenciamento ambiental, alvarás de construção, envolvendo novos empreendimentos. “Não pretendo promover um caça às bruxas. Não é hora de identificar culpados, mas buscar alternativas para evitar a repetição de tragédias como esta que aconteceu no final de semana”, comentou a promotora. Já o arquiteto e urbanista Angelo Arruda, ex-diretor da Planurb, tem uma proposta mais radical. Além da suspensão dos projetos em andamento, ele defende um amplo debate sobre o atual modelo de gestão urbanística da cidade. “Devemos juntar os técnicos da prefeitura, as inteligências de nossas universidades e a sociedade através das suas entidades representativas, para debruçar sobre a atual lei de uso e ocupação do solo e o plano diretor, em busca de um novo modelo de desenvolvimento sustentável, menos predatório”. O arquiteto diz que o atual processo de ocupação imobiliária foi desencadeado a partir de 2006 – administração do ex-prefeito André Puccinelli – quando o plano diretor foi alterado com um viés de estímulo à ocupação das regiões norte e leste da cidade, justamente as mais atingidas pelo temporal de sábado, que apresentam solos mais frágeis e têm córregos com maior vulnerabilidade (o Sóter e Prosa). A transformação destas áreas em regiões de alta densidade liberou a construção de edifícios de apartamento ao longo da Avenida Via Parque. Antes, em 87, quando foi inaugurado o Shopping Campo Grande, foram autorizados empreendimentos deste porte na Rua Antonio Maria Coelho e onde hoje é a Avenida Paulo Machado. Outro ponto da atual lei do uso do solo questionado por Angelo Arruda é o índice mínimo de 12,5% de permeabilidade dos terrenos, que é exigido nas edificações. Ele defende a adoção de percentuais diferentes, conforme a característica do solo de cada região da cidade. O deputado Paulo Duarte (PT) levou ontem assunto para a tribuna da Assembleia. Ele criticou o fato de terem sido feitas sete alterações no plano diretor e na lei de uso do solo nos últimos cinco anos. Foram mudanças, segundo o parlamentar, que facilitaram a construção dessas grandes torres às margens de córregos e perto de nascentes.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Previsão indica pancadas de chuva nesta semana em MS
TEMPO

Previsão indica pancadas de chuva nesta semana em MS

Bruna criou perfil na internet para difundir sua paixão pelo chá
AMOR PELO CHÁ

Bruna criou perfil na internet para difundir sua paixão pelo chá

MEDIDA PROVISÓRIA

Senado vota transferência do Coaf para o BC na próxima terça

CLÁUDIO HUMBERTO

“Acho muito razoável [Bolsonaro vetar], acho bem razoável”

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião