Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 11 de dezembro de 2018

SAÚDE

Cranberry ajuda a prevenir infecção urinária

27 MAR 2011Por Da Redação14h:00

Apesar de pouco comercializada no Brasil, os poderes da cranberry tem despertado interesse, principamente nas mulheres. Estudos apontam que a fruta ajuda a combater a infecção urinária, tem efeito antioxidante e retarda o envelhecimento. Também há indícios de que ela pode diminuir a incidência de doenças cardiovasculares e prevenir o câncer.

Cerca de 30% a 50% das mulheres já tiveram algum problema de infecção urinária depois do início da vida sexual. Nos homens, doenças relacionadas à próstata e alterações hormonais são responsáveis pelo aumento de incidência de infecções. Há algum tempo cientistas de universidades renomadas, como a americana Harvard, têm estudado uma pequena fruta vermelha na prevenção dessa doença.

A fruta nativa dos Estados Unidos começou a chamar a atenção dos médicos depois que eles descobriram que índios americanos utilizavam a cranberry para tratar sintomas de uma doença que parecia ser infecção urinária. Ela já era conhecida dos americanos desde pelo menos o início o século 17, mas foi na década de 1980 que as primeiras pesquisas começaram a descobrir o potencial da cranberry.

De acordo com o urologista Carlos Alberto Bezerra, presidente do Núcleo Brasileiro de Uroginecologia e professor da Faculdade de Medicina do ABC, em São Paulo, a infecção urinária é uma das principais causas de consultas em consultórios médicos, ambulatórios e pronto-socorros no Brasil e no mundo.

As infecções são mais comuns em mulheres, segundo Bezerra. "As mulheres têm três períodos da vida nos quais as infecções são mais frequentes: ao sair da fralda, ao iniciar vida sexual e ao entrar no período pós-menopausa. Além disso, a infecção urinária ocorre por penetração de bactéria pela uretra e os homens, por terem uretra mais longa, são naturalmente mais protegidos", explica o médico.

 

Com informações do Zero Hora

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também