Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Corumbá faz intercâmbio com o Rio

10 FEV 10 - 21h:32SÍLVIO ANDRADE, CORUMBÁ
A evolução do carnaval corumbaense fora da passarela do samba iniciou-se nesta década, com a criação da Liesco (Liga Independente das Escolas de Samba), em 2003. Mas o marco da mudança radical, com a qualificação e reestruturação das escolas, foi a presença do carnavalesco Joaosinho Trinta, em 1998, num período em que o axé invadia a folia pantaneira. “Não dei xem o ritmo baiano tomar conta do seu carnaval”, avisou Joãosinho, que a época trabalhava na Beija-Flor. Ele veio a Corumbá com um mestre de bateria da escola carioca e foram realizadas palestras e cursos que deram um novo impulso e incentivo aos carnavalescos locais. De lá para cá, o carnaval cresceu na proporção das agremiações. Com o surgimento da Liesco, a prof i ssion a l ização foi consequência. Outro momento crucial: o retorno da escola Império do Morro, em 2004, com uma visão mais empresarial. “Saíram de cena os donos das escolas, que passaram a ser administradas por empresários, traba l hando o ano todo para fazer dinheiro, como uma empresa”, observa o presidente da Liesco, Zezinho Martinez. O primeiro presidente da Liesco também foi um empresário: o ex-banqueiro e pecuarista A l fredo Zamlutti. Com a nova visão administrativa, veio o aprimoramento dos ritmistas e sambistas e das alegorias. “A sociedade passou a ver a escola de samba com outros olhos e a participar dela. A ntes, ninguém da chamada a lta sociedade desfilava”, lembra Martinez. O i ntercâmbio como carnaval carioca cresceu. A Império, nos últimos anos, tem como i ntérprete do seu samba-enredo Wander Timbalada, que passou por várias escolas, entre elas a Acadêmicos da Rocinha e São Conrado. A porta-bandeira Irinéia e o mestre-sala Jorginho desfilaram na Salgueiro e Ilha do Governador, com a qual a escola mantém parceria. A presença do poder público tem sido fundamental para garantir infraestrutura na passarela do samba, mídia e capacitação dos carnavalescos que trabalham nos barracões. “Apoiar o carnaval é investimento”, diz o presidente da Fundação de Cultura e Turismo, Carlos Porto. Segundo ele, a folia aquece a economia local e o turismo e gera três mil empregos.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Pneu estoura e caminhonete capota ferindo duas pessoas
ACIDENTE

Pneu estoura e caminhonete capota ferindo duas pessoas

MS tem melhor saldo de empregos em julho desde 2012
CAGED

MS tem melhor saldo de empregos em julho desde 2012

Próximo ao Mercadão prédio deve entrar no Retrofit
HABITAÇÃO

Próximo ao Mercadão prédio deve entrar no Retrofit

QUEIMADAS

MS irá contratar 91 brigadistas para combater incêndio no Pantanal

Governo disse que pode fazer parceria com Exército

Mais Lidas