MERCADO

Corinthians interessado em Guilherme e Nenê

Corinthians interessado em Guilherme e Nenê
15/07/2012 00:00 - band


O volante Guilherme, da Portuguesa, voltou à pauta de reforços da diretoria do Corinthians para o restante do Brasileirão e disputa do Mundial de clube, em dezembro. O diretor de futebol do clube Roberto de Andrade admitiu que deve se reunir novamente com a Lusa para tentar a contratação do volante de apenas 21 anos.

"A gente vai tentar sentar de novo com a Portuguesa, ter uma nova conversa. Eles manifestaram a vontade de deixar o jogador sair, então nós vamos conversar e tentar ser feliz na negociação. Se não me engano, ele só atuou por duas ou três partidas no Brasileirão", disse Roberto de Andrade à Rádio Bandeirantes.

O Corinthians já havia tentado a contratação do volante em outras oportunidades. Em todas elas, porém, a Portuguesa recusou negociar o jogador. Na última, há algumas semanas, Guilherme chegou a ser afastado da equipe e a treinar separado, alegando estar recebendo ameaças de alguns torcedores lusitanos.

Além de Guilherme, Roberto de Andrade admitiu interesse em outro jogador de meio-de-campo. O clube procurou o PSG, da França, pela liberação de Nenê, ex-Palmeiras e Santos. Essa negociação, no entanto, é julgada mais complicada pela diretoria do Timão.

"Nós conversamos, mas não tivemos êxito porque o PSG não quer fazer a liberação do atleta. É um grande jogador, seria um reforço fundamental. Fez uma boa campanha ano passado e foi um dos melhores jogadores brasileiros na Europa", ressaltou Andrade.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".