Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FUTEBOL

Corinthians diz que terreno será regularizado neste mês

Corinthians diz que terreno será regularizado neste mês
18/04/2011 11:56 - ESTADÃO


O diretor-administrativo do Corinthians, André Luiz de Oliveira, disse nesta segunda-feira que a expectativa do clube é de que até o fim de abril seja regularizada a situação do terreno de Itaquera, na zona leste de São Paulo, onde será construída a arena para a Copa do Mundo de 2014. Oliveira disse que a programação é de que as obras para construção do estádio tenham início em maio.

A previsão dele é de que, até lá, o Corinthians já disponha de uma parcela do empréstimo que deve ser concedido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) por meio da Caixa Econômica Federal, de R$ 400 milhões. O empreendimento é hoje estimado em R$ 650 milhões. "A gente espera que, até maio, seja regularizada a situação com o Ministério Público (MP)", disse, após evento no Palácio dos Bandeirantes. "O empréstimo do BNDES deve ser liberado em partes, e não de uma vez só", explicou.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab, participaram de café da manhã com representantes de 12 clubes de futebol do Estado, entre eles os de Santos, Palmeiras, São Paulo e Portuguesa. O presidente do Corinthians, André Sanchez, está internado por conta de uma queimadura na perna e não pôde comparecer ao encontro.

Sanchez foi representado pelo diretor-administrativo. Em discurso, Kassab ressaltou que a capital está empenhada para a abertura da Copa e que o futuro estádio do Corinthians é a "única solução para que São Paulo sedie a abertura do evento". 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?