Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Coreia do Norte rompe com a do Sul

Coreia do Norte rompe com a do Sul
26/05/2010 09:06 -


AGÊNCIA ESTADO, SEUL

A Coreia do Norte afirmou, ontem, que está rompendo todas as suas relações com a Coreia do Sul, afirmou a agência estatal KCNA. Segundo relato da agência, serão também cortados todos os laços bilaterais de comunicação. O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-il, ordenou que o Exército do seu país, de 1,2 milhão de soldados, esteja pronto para combate, segundo a agência de notícias Yonhap.

Pyongyang afirmou que expulsará todo o pessoal sul-coreano de um projeto industrial conjunto, em Kaesong, na parte norte-coreana da fronteira. Além disso, a Coreia do Norte afirmou que pretende banir os navios sul-coreanos de seu espaço marítimo e os aviões desse país de seu espaço aéreo.
Os vizinhos vivem uma fase tensa, após uma comissão investigativa concluir que a Coreia do Norte foi culpada pelo naufrágio do navio militar sul-coreano Cheonan, ocorrido em março. O naufrágio do Cheonan foi um dos piores desastres militares na Península Coreana desde que a Guerra da Coreia de 1950-1953 acabou em armistício.

Pyongyang nega ter responsabilidade por esse ataque, no qual foram mortos 46 marinheiros. Ontem, o governo norte-coreano acusou o vizinho do Sul de ter ultrapassado suas fronteiras marítimas e ameaçou responder com uma ação militar.
Os Estados Unidos mostraram apoio total às medidas da Coreia do Sul e anunciaram manobras militares conjuntas com as forças armadas sul-coreanas. O objetivo é deter uma possível agressão militar da Coreia do Norte, disse a Casa Branca. OS EUA têm atualmente 28.500 soldados em guarnições na Coreia do Sul.

A Coreia do Sul também quer levar a Coreia do Norte ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, por causa do naufrágio do navio. O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse esperar que o Conselho tome medidas contra a Coreia do Norte, mas a China, integrante permanente e com poder de veto, além de aliada da Coreia do Norte, tem feito pouco, além de pedir calma a ambas as partes.

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!