ESPORTES

Copa no Brasil supera orçamento da disputa na África

Copa no Brasil supera orçamento da disputa na África
18/02/2010 07:02 -


A i nda fa ltam ma is de quatro anos para a bola começar a rolar nos ‘novos e modernos’ estádios brasileiros, mas os custos para a realização da segunda Copa do Mundo em território tupiniquim atingirão números exorbitantes. Pelo menos é isso o que informou uma reportatagem publicada ontem no jornal “Folha de S.Paulo”. Segundo o periódico, o orçamento previsto pelo Ministério do Esporte para deixar o País pronto para receber o Mundial superará em R$ 9,5 bilhões o dinheiro gasto na África do Sul, o que representa um gasto 120% superior ao investido para a Copa do Mundo de 2010. No projeto brasileiro, que inclui 59 obras (12 delas em estádios), o custo total previsto é de R$ 17,52 bilhões, incluindo verba federal, estadual e privada. Já os sul-africanos apresentam gastos de 33 bilhões de rands (R$ 7,968 bilhões). Os números brasileiros podem ficar ainda maiores segundo o jornal, pois não estão inclusos no orçamento custos com tecnologia, segurança e infraestrutura esportiva, o que seguramente elevará em mais alguns pontos percentuais a diferença orçamentária entre as competições. O gove r no bra si le i r o alega que a Copa no País custará mais do que a sulafricana pelo fato de ter três sedes a mais (12 contra nove) e também um maior número de arenas esportivas (12 contra dez).
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".