Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ESPORTES

Contusão de Michel Bastos assusta

Contusão de Michel Bastos assusta
05/06/2010 20:58 -


Eduardo Miranda

 

A lateral-esquerda deu ontem mais uma mostra de que é a posição mais problemática da seleção brasileira comandada por Dunga. Depois de ter assumido recentemente a posição mais incerta do time canarinho, Michel Bastos torceu o tornozelo durante o treino em Johannesburgo, e trouxe o ponto de interrogação à comissão técnica e à torcida brasileira.

A pancada em Bastos aconteceu nos minutos finais da movimentação, após um choque com o meia Elano. O lateral foi atendido pelo médico da seleção, José Luiz Runco, tentou voltar ao treino, mas não suportou a dor.

Ao final do treinamento, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tentou tranquilizar a torcida brasileira. "Segundo o médico José Luiz Runco, a pancada no tornozelo direito de Michel Bastos não preocupa", informou a entidade em um breve comunicado oficial.

O jogador, de 26 anos, foi a solução encontrada por Dunga, no fim do ano passado, para resolver o problema da lateral-esquerda brasileira, apesar de atuar como meia e até mesmo segundo atacante em seu clube, o Lyon, da França.

Em três partidas como titular, antes da convocação para o Mundial, ele demonstrou disposição na marcação e boa técnica para atacar, combinação que o colocou à frente de concorrentes com mais tempo de seleção, como Marcelo (Real Madrid) e André Santos (Fenerbahce), por uma vaga na Copa. O outro lateral escolhido por Dunga foi Gilberto, do Cruzeiro.

 

Júlio César

A lesão de Michel Bastos soma-se à preocupação com o goleiro Júlio César, que não treinou com o restante da equipe pelo segundo dia consecutivo, ontem, após ter sentido dores nas costas no amistoso com o Zimbábue.

O titular da seleção foi submetido a tratamento de fisioterapia no hotel e, segundo o chefe de imprensa, Rodrigo Paiva, a recuperação está indo bem. A expectativa é de que o goleiro volte a treinar hoje com o grupo.

Felpuda


Engana-se quem acha que diminuiu a voracidade de ter fatia de cobiçado bolo por parte de “quem manda”. O recuo realmente houve, mas só por enquanto e por uma questão de estratégia, até porque, nas primeiras investidas, as portas não se abriram. E continuam fechadas. Mas quem conhece bem a dita figurinha aposta que ela não desistirá até encontrar, digamos,  um “chaveiro amigo”. Essa gente não sossega nem diante da pandemia... Afe!