Quarta, 21 de Fevereiro de 2018

RECORDE

Contratações do FCO atingem R$ 1 bilhão em MS

14 JAN 2011Por DA REDAÇÃO00h:00

As contratações  do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste)  atingiram R$ 1,048 bilhão em 2010, superando a meta prevista para Mato Grosso do Sul  que era de R$ 956 milhões. Esse foi o maior volume contratado no Estado desde a criação e regulamentação do Fundo ocorrida em 1989.       

A flexibilização das normas do FCO nos últimos dois anos , o quadro macroeconômico, que motivou investimentos pelos agentes privados,  o esforço dos diversos agentes envolvidos no processo de gestão e a aplicação dos recursos em Mato Grosso do Sul contribuíram decisivamente para o alcance dessas metas. O FCO vem cumprindo uma de suas diretrizes básicas de destinar 51% dos recursos para micro e pequenos empreendedores, compreendendo aí os pequenos produtores rurais.

No setor agropecuário, as atividades voltadas a produção de grãos e de carne, tanto bovina como de pequenos animais, vêm sendo beneficiadas pelo FCO, que também destinou significativos recursos para o setor de leite e para a produção florestal no Estado, atividade inserida no plano estadual de floresta, priorizando as áreas compreendidas basicamente no eixo Campo Grande-Três Lagoas-Bataguassu. As normas operacionais do Fundo foram alteradas para 2011 visando facilitar maior acesso de investidores nesse segmento  do FCO.

O setor industrial foi o maior beneficiário dos recursos do FCO em 2010, fruto dos expressivos investimentos que vem sendo realizados no segmento da agroindustria em Mato Grosso do Sul com o apoio do governo do Estado e do governo federal.

Também os setores de comércio, serviços e turismo foram contemplados com recursos do Fundo para a ampliação, modernização de seus empreendimentos, e capital de giro para a aquisição de insumos e formação de estoque, que beneficiaram todo o segmento empresarial. Em todos os municípios do Estado houve contratação de operações do FCO, constituindo prioridade, tanto da Seprotur – Secretaria de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e  do Turismo, quanto do Banco do Brasil, ampliar a oferta de recursos em municípios cuja captação ainda é pouco expressiva.

 O secretário adjunto da Seprotur, Paulo Engel, e o superintendente do Banco do Brasil, Luiz Alves Por Deus Júnior, estiveram reunidos recentemente e fizeram uma reflexão das estratégias adotadas no ano passado e avaliaram alguns aspectos a serem introduzidos em 2011. Entre eles, merecem destaque : a continuação dos trabalhos do FCO itinerante como ação conjunta para difusão das normas e dos programas de governo na mobilização dos potenciais tomadores de recursos; o maior envolvimento das agências do Banco do Brasil e das lideranças municipais no processo de captação dos recursos; o treinamento/reciclagem dos consultores e projetistas como parte integrante do processo de acesso aos recursos e,  a adequação e flexibilização de critérios pelo Conselho Estadual do FCO para agilizar a contratação das operações.

 “O excelente desempenho do FCO em 2010 foi resultado da soma de esforços e articulação do governo do Estado e entidades representativas dos segmentos empresariais e do agronegócio de Mato Grosso do Sul. É importante destacar o avanço do FCO empresarial, que, pela primeira vez, superou o rural. Com contratações de 538 milhões de reais, registrou incremento de 227 milhões, 73% a mais que em 2009. As contratações do FCO rural também foram superiores a 2009. Para 2011 o Banco do Brasil se empenhará ainda mais na agilização das contratações, de forma que os recursos disponíveis, da ordem de R$ 1,23 bilhão, possam ser utilizados até o mês de setembro”, explicou o superintendente do Banco do Brasil, Luiz Alves Pordeus Júnior.

A expectativa é que a meta a ser alcançada em 2011 possa ser viabilizada até 30 de setembro, quando  ocorrerá redistribuição dos recursos não utilizados por alguma unidade federativa da região Centro Oeste.

 Nessa reunião também ficou definido que a captação de propostas continua nas diversas linhas e programas do FCO, tanto no setor rural como empresarial (comercial, industrial e turismo).

 Paulo Engel, fez questão de destacar o empenho de todos os parceiros envolvidos no processo. “Desde 1989, o FCO é uma das mais importantes fontes de financiamento para o desenvolvimento do nosso Estado, sendo o principal atrativo para os investidores. O empenho de todos nossos parceiros possibilitou  a superação das metas em 2010. Vamos trabalhar para repetir esse sucesso em 2011”, enfatizou Engel.

 Segundo o secretário executivo do Conselho Estadual, Jerônimo Alves Chaves, já está agendada uma reunião para o próximo dia 25, quando serão apreciadas cartas consultas em processo de tramitação nas Instituições financeiras envolvidas    ( Banco do Brasil e Sicredi).

Leia Também