Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

Crescimento

Consumo das classes D e E cresce mais que o da classe C

9 MAI 2011Por IG20h:20

Depois da explosão do consumo pela classe C, agora são as classe D e E que estão comprando mais e que vêm chamando a atenção das indústrias e varejistas.

Segundo uma pesquisa encomendada pela Associação Paulista de Supermercados (Apas) à Nielsen e à Kantar Worldpanel, o consumo das classe D e E cresceu 16% em 2010, em valores, enquanto o aumento do consumo das classe C e AB manteve-se em 13%.

“Nos últimos cinco anos, as classes mais baixas aumentaram significativamente o poder de compra. No Brasil, 2,2 milhões de domicílios avançaram para a classe média. Em 2005, a classe C representava 33% dos consumidores; em 2010, esse número subiu para 38%. Para 2011, a projeção é que este nível social continue em alta e chegue a 41% dos lares”, informou a APAS, em um comunicado à imprensa.

Os novos consumidores impulsionaram as vendas principalmente de bebidas alcoólicas, não-alcoólicas e produtos perecíveis. O consumo de bebidas não-alcoólicas, que havia crescido 2% em 2009, cresceu 9,6% no ano passado. No caso das bebidas alcoólicas, o consumo cresceu 7,9% em 2010, depois de apresentar um aumento de 2,9%, em 2009. O consumo de perecíveis aumentou 9,3%, em 2010, depois de ter crescido 4,6%.

“Os perecíveis continuam tendo grande importância nas vendas dos supermercados”, informa a Apas. Em 2010, a categoria representou 30,9% do volume e 5,4% do faturamento do setor. As bebidas apresentaram mais importância no faturamento, com 11,6%, representando 10,6% no volume das vendas.

Pela primeira vez em toda a série da pesquisa, o gasto médio superou a renda média dos consumidores. Em 2010, 53% das famílias gastaram mais do que os seus rendimentos. Segundo a Apas, esse movimento reflete a maior oferta de crédito e uma diversificação das formas de pagamento pelo varejo.

Canais de compra

A pesquisa Tendências do Consumidor mostra que os consumidores brasileiros compram em diferentes canais de venda, como lojas físicas, internet, farmácias e lojas de conveniência. Aproximadamente, 80% deles frequentam mais de três pontos de venda para se abastecerem.

Mas também aumentaram a quantidade de vezes que vão aos supermercados. Nos últimos dois anos, saltou de 106 vezes ao ano para 123 vezes.

Tendências

Segundo a pesquisa da Apas, lojas menores e lojas dentro dos centros de compras são uma forte tendência no setor e estão sendo mais procuradas pelos consumidores. “A internet também é um canal que agrada ao consumidor”, afirma a Apas.

Sobre as marcas, o consumidor dá mais valor aos produtos que proporcionam segurança para a família: 61% das pessoas de nível socioeconômico baixo buscam experimentar novos produtos, desde que eles tragam segurança para sua família. Em seguida, estão fatores como variedade, novidade e tamanhos.

“A exigência do comprador vai além dos serviços prestados, ele também dá importância à apresentação da loja, à organização dos produtos e ao atendimento”, afirma Apas.
 

Leia Também