Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Construção de um bloco comercial na América do Sul tem história de quatro décadas

29 JUL 12 - 13h:30agência brasil

 

As negociações para a criação de um bloco regional na América do Sul começaram há mais de 40 anos, mas só se tornaram concretas nas décadas de 1980. Inicialmente, houve acordos entre Brasil e Argentina, depois entre Uruguai e Paraguai, constituindo o grupo fundador.

Nos anos seguintes, foram incorporados membros associados – o Chile, Peru, Equador, a Colômbia e Bolívia - e observadores - o México e a Nova Zelândia. Na Venezuela, o governo pediu o apoio dos empresários para incrementar as exportações para a região.

O Chile negocia para ser incorporado ao bloco. As dificuldades esbarram em questões territoriais com a Argentina.

Pelo acordo, baseado no Tratado de Assunção, de 1991, foi estabelecida uma aliança no Mercado Comum do Sul (Mercosul) entre os integrantes do bloco para dar mais dinamismo à economia regional, com estímulo para as parcerias e geração de emprego e trabalho.

O processo de adesão da Venezuela ao Mercosul dividiu opiniões no Brasil e no restante do Mercosul. No Paraguai, o então presidente Fernando Lugo apoiava a incorporação dos venezuelanos, mas não contava com o apoio do Congresso para chancelar a decisão. Sem a aprovação do Congresso, o Paraguai não se posicionou sobre a entrada da Venezuela no grupo.

No dia 25, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse que o Mercosul é o “maior motor” da América do Sul. Segundo ele, é o bloco que favorece o desenvolvimento da região e a incorporação da Venezuela ao bloco representa a abertura de um "horizonte infinito”.

Chávez fez a afirmação depois de uma reunião, em Caracas, capital venezuelana, com os representantes do Brasil, o subsecretário-geral de América do Sul do Ministério das Relações Exteriores, Antonio Simões, e o assessor para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia.

De acordo com o presidente venezuelano, será criado um fundo especial para estimular parcerias públicas e privadas para essas exportações. Chávez disse ainda que os projetos envolvem as áreas industrial, de agronegócios, financeira e de telecomunicações, além do comércio. A ideia, segundo ele, é pelo menos exportar da Venezuela para o Brasil uma relação com mais de 230 itens.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

AMEAÇA MUNDIAL

EUA dizem que coronavírus é ameaça séria, mas que não houve novos casos no país

Autoridades informaram que não houve "por ora" novos casos
Múltiplos do 718
CORREIO VEÍCULOS

Múltiplos do 718

Caminho virtual
PERFIL

Caminho virtual

Próximos do fim do mundo
Via Streaming

Próximos do fim do mundo

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião