Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Consórcio caça mil operários para construir hidrelétrica

19 ABR 10 - 21h:44
Ico Victório

O Consórcio São Domingos, responsável pela construção da Usina Hidrelétrica de São Domingos, localizada em área que compreende dois municípios, Água Clara e Ribas do Rio Pardo, procura pelo menos mil operários para trabalhar em seu canteiro de obras. Por falta de pessoal capacitado, o setor de recrutamento será obrigado a abrir contratação em outros estados, visando a suprir demanda do maior projeto em andamento no Estado, do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Lula, cujo investimento soma R$ 290 milhões. No total, estima-se contratação de 2,2 mil trabalhadores na obra até o final de 2011.

O consórcio busca no mercado profissionais como carpinteiros, marceneiros, operadores de máquinas, motoristas, almoxarifes, encarregados e mestres de obras, entre outros.

A administração do consórcio corre contra o tempo, pois já consumiu sete dos 27 meses previstos para a construção do complexo hidrelétrico de São Domingos, com entrada em operação marcada para janeiro de 2012. A energia a ser produzida já está comercializada e é preciso pessoal capacitado para a execução do projeto, com início previsto para o próximo mês.

No escritório instalado em Água Clara, o responsável pelo setor de recrutamento, Reinaldo de Paula Brugiollo, revela dificuldades para contratação e adianta que será preciso “importar” mão de obra especializada para compor o quadro de funcionários no canteiro de obras da usina. “Estamos garimpando nos municípios vizinhos, como Três Lagoas, Ribas do Rio Pardo e Campo Grande também, mas encontramos muitas dificuldades de assinar contrato de trabalho pela falta de pessoal capacitado”, informa.

Se trabalhar em uma obra complexa e de grande porte, como em usina hidrelétrica, com nível 4 de perigo de acidentes – índice instituído pelo Ministério do Trabalho – exige dos operários maior nível de capacidade, na outra ponta exige remuneração melhor do que em outros setores da construção civil.
Neste caso, o salário médio pago pela Usina São Domingos para carpinteiros, por exemplo, chega a R$ 1.200 – fixo de R$ 800,00 mais 40 horas extras, férias e FGTS. No pacote é oferecido ainda alojamento, três refeições diária e transporte gratuitos.

“Pra encontrar pessoal capacitado está difícil. Temos exigências de admissão diferentes e nem todos que passam no escritório estão qualificados para cumprir jornada de trabalho no canteiro de uma usina hidrelétrica”, explica Ronaldo de Paula.

O que pesa no momento da triagem é a exigência de regime de semi-internato – 15 dias – a que se submeterão os operários, até que eles tenham folga e possam visitar sua família na cidade. A obra dista 70 quilômetros de Água Clara, e como a rodovia MS-324 está praticamente destruída pela erosão, consórcio estebeleceu o descanso semanal no próprio canteiro, a fim de evitar deslocamentos constantes para a cidade. No local, os operários poderão desfrutar de sala de jogos.

O administrador do projeto, engenheiro André Batistela, reforça que esta situação acaba fazendo com que o candidato recue e procure nova oportunidade, mas não há outra alternativa viável. “Por todas essas razões, não conseguiremos preencher vagas oferecidas no canteiro de obras, e a saída é buscar pessoal em outras regiões”.

Para tentar solucionar este problema, o Sebrae e a Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul ofereceram cursos de capacitação de curto prazo, mas pela necessidade de início imediato da obra, o consórcio decidiu contratar profissionais especializados e com experiência, embora saiba que são poucas as alternativas para o setor no Estado.  

Capacitação
Nos últimos três anos, o governo do Estado investiu cerca de R$ 12 milhões na capacitação de quase 10 mil trabalhadores, a maioria já está empregada, como informou o presidente da Fundação do Trabalho do Estado, Cícero Ávila. Ele diz reconhecer o déficit de mão de obra capacitada, mas lembra que o mercado da construção civil é um dos responsáveis pelo aquecimento da economia e, por isso mesmo, há forte demanda por contratação em Mato Grosso do Sul.

Cícero Ávila descarta apagão de mão de obra e diz que as empresas sempre encontram alternativas. “Nunca uma obra de grande porte parou ou deixou de ser construída por falta de gente”.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Por dia, Campo Grande registra mais de um ataque de escorpião
CUIDADO

Por dia, Campo Grande registra mais de um ataque de escorpião

Pacote de R$ 3 bilhões em <br> obras será lançado em março
GOVERNO DO ESTADO

Pacote de R$ 3 bilhões em
obras será lançado em março

Horror de Auschwitz resiste, 75 anos depois
MUNDO

Horror de Auschwitz resiste, 75 anos depois

Estreia de Sikêra Jr. vai mexer com a audiência no começo da noite
CANAL 1 - FLÁVIO RICCO

Estreia de Sikêra Jr. vai mexer com a audiência no começo da noite

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião