Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sexta, 22 de fevereiro de 2019 - 13h37min

Consorciar gado e floresta exige estudos

22 MAR 10 - 01h:11
A rentabilidade dos Sistemas Silvipastoris, que prevê a integração da pecuária com o cultivo de florestas, pode ser aumentada se forem utilizadas espécies adequadas à condição ambiental local e que tenham madeira nobre, de alto valor econômico. A escolha da espécie é fundamental e exige conhecimentos. Normalmente, quando a destinação da madeira é voltada para a siderurgia, produção de papel e celulose, ou o produtor tem mais pressa em obter alguma renda com sua floresta, a planta utilizada é o eucalipto. Porém, se o interesse for outra planta, que garanta madeira mais nobre, existem outras opções. Segundo Alex Marcel Melott, biólogo, mestre em Biologia Vegetal pela UFMS, doutorando em Agronomia pela UFGD, e que atualmente faz estágio na Embrapa Gado de Corte, em Campo Grande, se as condições buscadas são de madeiras mais nobres e maior rentabilidade, elas são encontradas em espécies nativas que geralmente têm crescimento lento quando plantadas a sol pleno. No entanto, fornecem madeira de alta qualidade, geralmente utilizada na movelaria fina, na construção naval entre outros fins. Ele explica que a escolha das espécies arbóreas para compor o sistema pode significar um risco em processos silvipastoris. Nesse contexto, estariam inclusos problemas associados ao plantio de espécies agronomicamente inadequadas, devido à suscetibilidade futura a doenças e pragas, potencial invasivo, ou ao efeito deletério que poderiam causar à pastagem, citando como exemplos o excesso de sombreamento, deposição excessiva de serrapilheira, ou efeito alelopático. Também há casos de espécies, como a seringueira, que embora de boa rentabilidade, não serve para o sistema silvipastoril pois o gado certamente iria começar a lamber o látex produzido pela planta, de sabor adocicado, com prejuízos tanto para os animais como para a floresta. Ademais, haveria ainda o risco associado ao plantio de espécies que pudessem se tornar economicamente desinteressantes com o passar do tempo. Isso ocorreria por causa de mudanças no potencial de comercialização de seus produtos (mudanças na preferência de mercado), ou até mesmo devido a eventuais restrições ambientais para a exploração, como o corte dessa ou daquela árvore.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

World Press Photo

Imagens indicadas a prêmio exploram acontecimentos mundiais de 2018

Vencedor será anunciado em 11 de abril, em Amsterdã
CONFLITO

Militares venezuelanos abrem fogo contra opositores perto da fronteira com o Brasil

O ditador Nicolás Maduro ordenou o bloqueio da fronteira entre os dois países
Khloé Kardashian se manifesta publicamente pela 1ª vez após traição
REDE SOCIAL

Khloé Kardashian se manifesta publicamente pela 1ª vez após traição

Fernanda Montenegro recebe alta em hospital no Rio
ATRIZ

Fernanda Montenegro recebe alta em hospital no Rio

Mais Lidas