Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Conjuntura do milho ameaça renda do produtor

19 ABR 10 - 08h:13
Maurício Hugo

Salvar a renda dos agricultores é a meta de lideranças do setor e do Governo do Estado. Prevendo-se o aumento ainda maior nos estoques de milho após a colheita da safrinha deste ano, a expectativa é de que a cotação do produto caia ainda mais.
É preciso que o Governo federal, que por estar em ano de eleição já iniciou o contingenciamento de verbas, mantenha o preço mínimo do produto e, também, os instrumentos importantes para a comercialização da safra como o PEP – Prêmio para Escoamento de Produtos e o Pepro – Prêmio de Equalização Pago ao Produtor.
Já se comenta a possibilidade de o Governo federal reduzir o preço mínimo do milho quando começar a colheita da safrinha. Para os produtores, isso seria um desastre, uma vez que o preço mínimo, hoje um pouco acima dos R$ 17, já não cobra os custos de produção. Se receberem ainda menos do que isso, estará seriamente comprometida a renda do setor, com possibilidades de dificuldades para que os agricultores continuem plantando, cultivando a próxima safra de verão.

Os prêmios
Conforme o Plano de Safra 2009/2010, o Prêmio para Escoamento de Produtos – PEP tem como objetivo garantir ao produtor o preço mínimo. O Governo paga o prêmio ao comprador que garanta ao agricultor pelo menos o preço mínimo e que encaminhe o produto para uma região pre-determinada, de acordo com as necessidades de abastecimento do País. Com esse mecanismo, o Governo pode conduzir uma política de complemento do abastecimento para regiões com déficit nessa área e melhorar a distribuição dos produtos agrícolas.
Ocorre que, na atual conjuntura, com um estoque de milho que em Mato Grosso do Sul hoje supera um milhão de toneladas, e com a perspectiva de colheita de mais 2 milhões e meio de toneladas dentro de alguns meses, nem existe necessidade de uma política de abastecimento, pelo menos para o milho, já que há excedente em todo o País. Por isso o temor de que o Governo possa alterar o preço mínimo ou que não aplique nessa safrinha a política de prêmios.
O Prêmio de Equalização Pago ao Produtor - Pepro também visa garantir que o produtor venda pelo preço mínimo. Para isso o Governo paga ao produtor a diferença entre o preço de sua venda ao mercado e o preço mínimo, caso o preço de mercado esteja abaixo do mínimo (como é a situação atual).

Grandes estoques
Conforme opinião do superintendente de Agricultura da Secretaria da Produção e do Turismo de MS, Jerônimo Alves Chaves, a expectativa é de que o Governo federal novamente garanta os recursos para a comercialização da safra. Segundo ele, foi colhida uma boa safra de soja e milho, e Mato Grosso do Sul conseguiu armazenar a safra, tendo sido muito importante, para isso, a liberação dos armazéns da Cooagri. “O problema é que o excedente de milho pressiona ainda mais os preços para baixo. Isso vai exigir que o Governo federal garanta o preço mínimo e a comercialização. Desta forma estará garantida a renda aos produtores. Também será importante que o dinheiro chegue na hora certa”, finalizou.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Ministério da Agricultura diz que preço da carne caiu 9% desde início do mês

Dólar cai para R$ 4,146 e fecha no menor nível em quase um mês
ECONOMIA

Dólar cai para R$ 4,146 e fecha no menor nível em quase um mês

Dois hospitais de MS realizarão diagnóstico gratuito de câncer de pele
DEZEMBRO LARANJA

Dois hospitais de MS realizarão diagnóstico gratuito de câncer de pele

PDT suspende vereadores que não assinaram CPI do Ônibus
90 DIAS

PDT suspende vereadores que não assinaram CPI do Ônibus

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião