Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 21 de novembro de 2018

Prova

Confira o que mais é cobrado nas questões de geografia do Enem

5 AGO 2012Por Band14h:55

Faltam apenas dois meses para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e, para quem está com medo de não dar tempo para estudar tudo, vai uma dica. O Portal da Band reúne, a partir deste domingo, os principais temas que podem cair na prova de acordo com cada matéria.
As primeiras dicas vão para a prova de Geografia. O Universia Brasil realizou um mapeamento das questões do exame desde a primeira prova, em 1998, até a edição mais recente, em 2011.

Segundo o professor Daril Francisco Feltrin, do cursinho Oficina do Estudante, se compararmos as primeiras edições às mais recentes perceberemos que a prova ficou mais óbvia e simples. "Para acertar as questões, é preciso analisar a atualidade, ler jornais e boas revistas, prestar atenção nos noticiários, principalmente no que é analisado nos primeiros seis meses do ano, de janeiro a junho", afirma.

De acordo com o docente, porém, a matéria pode estar relacionada a outras áreas de estudo, como a Biologia (em análises de aspecto ambiental) e História (ao contar o contexto de determinado aspecto socioeconômico).

Confira, abaixo, o que mais é cobrado nas questões de geografia do Enem:

Agricultura
Dentro deste tema estão assuntos como reforma agrária e problemas de distribuição de terra, extrativismo predatório, agronegócio, agropecuária, fome e subalimentação no Brasil e América Latina, além de possíveis impactos sociais da agricultura. 

Por exemplo, o êxodo rural. “Ao falar de agricultura ou agronegócio no Enem a questão provavelmente terá um texto introdutório com maior número de linhas, sendo cobrada do aluno boa interpretação de texto. Uma dica é tentar transformar o enunciado em uma alternativa correta”, indica Feltrin.

Aspectos Socioeconômicos
São cobrados assuntos como desemprego, migração, mortalidade infantil, natalidade, indicadores de saúde, IDH (índice de desenvolvimento humano). 

Outros assuntos bastante abordados são os dados sobre a população, como crescimento e envelhecimento. “Gráficos e tabelas aparecem especialmente nestas questões. É necessário prestar atenção diretamente na tabela e não apenas nas alternativas, identificando nela quais são as informações necessárias para responder a questão”, explica o professor.

Desenvolvimento e Impactos Ambientais
Questões sobre problemas ambientais como o desmatamento, efeito estufa, enchentes, recursos hídricos, petróleo, poluição, a usina hidroelétrica de Belo Monte, lixo e energia também são muito frequentes. Esses assuntos costumam estar relacionados com Biologia. 

Para 2012, Feltrin indica assuntos como a Rio+20 e o Novo Código Florestal com possibilidades de serem cobrado pelo exame.

Geopolítica
Os tópicos cobrados no Enem sobre geopolítica estão normalmente relacionados a algum contexto histórico apresentado no enunciado da pergunta. Assuntos como globalização, terrorismo, petróleo e guerras, Mercosul, união de livre comércio entre países da América Latina, Primavera Árabe e as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) costumam cair com frequência. 

O professor Feltrin completa que o aluno deve “procurar informações em jornais, noticiários e mudanças geopolíticas recentes nos mapas como, por exemplo, a questão do novo país africano, Sudão do Sul.

Além disso, o especialista indica assuntos como as eleições presidenciais nos EUA, ditadura militar no Brasil e a Comissão da Verdade, o populismo, trabalho escravo no Estado de São Paulo e a imigração de haitianos para o país como grandes candidatos para serem cobrados neste ano.

Independentemente do tema apresentado nas questões, é a capacidade de interpretação de texto do aluno que irá indicar o seu sucesso. “A análise de tabelas, textos e mapas é muito frequente. O Enem costuma avaliar as habilidades e competências do aluno, não apenas conteúdos, pois é uma prova voltada para o ensino médio e não funciona como os vestibulares tradicionais”, completa o professor. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também