Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ÍNDICE

Confiança do comércio cai menos em dezembro

Confiança do comércio cai menos em dezembro
27/12/2013 09:00 - AGÊNCIA BRASIL


O Índice de Confiança do Comércio continuou em queda no trimestre encerrado em dezembro, mas caiu menos do que nos três meses completados em novembro. Os dados foram divulgados hoje (27) pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O Icom teve retração de 3% sobre os últimos três meses de 2012. A variação é 2,2 pontos percentuais menor do que a registrada em novembro (-5,2%).

Em balanço do ano de 2013, a FGV considera que se manteve a tendência de desaceleração registrada desde 2010, ano em que a atividade teve ritmo muito aquecido. No último trimestre, no entanto, a queda havia se acentuado, mas em dezembro perdeu o ritmo. Com a recuperação, "o setor chega na virada do ano de 2014 moderadamente aquecido", conclui a pesquisa.

Em dezembro, o Índice da Situação Atual (ISA-COM) teve o melhor resultado na comparação interanual desde fevereiro, com alta de 2,9%. A recuperação reduziu a queda trimestral interanual do ISA-COM de -9,8%, no trimestre iniciado em setembro, para -6,4%, no trimestre iniciado em outubro.

A variação das expectativas para os meses seguintes passou de -2,1% no trimestre encerrado em novembro para -0,4%, ficando praticamente estável em relação ao resultado do ano passado. Se levado em conta apenas o mês de dezembro, houve queda de 0,3% na comparação interanual.

Na avaliação das empresas, o trimestre encerrado em dezembro de 2013 teve demanda mais fraca que o de 2012. Na média, 23% das empresas disseram que a demanda está forte, e 17,8%, que está fraca. No ano passado, os percentuais foram 27% e 14,5%, respectivamente.

A Sondagem do Comércio constatou melhora na expectativa do setor para os próximos seis meses e para os próximos três meses. No trimestre que termina em dezembro, as projeções foram de variação interanual de -0,3% e -0,6%, quando em novembro tinham sido de -2,2% e -2%.

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?