Segunda, 11 de Dezembro de 2017

'Máfia dos consignados'

Condenados à prisão ex-vereadores e assessores de esquema

13 JAN 2014Por Dourados News18h:00

O juiz Rubens Witzel Filho condenou no início da tarde desta segunda-feira (13), os ex-vereadores Sidlei Alves e Humberto Teixeira Junior por participação da chamada “Máfia dos Consignados” que foi descoberta pela Operação “Câmara Secreta” deflagrada no final de abril de 2011, pela Polícia Federal.

A sentença de Sidlei ficou estipulada no cumprimento de 11 anos, nove meses e cincos dias de reclusão em regime fechado, além do pagamento de multa. O também ex-vereador Júnior Teixeira teve a pena arbitrada em seis anos, cinco meses e 10 dias de reclusão, além de multa.

Também foram condenados os servidores públicos da Câmara Municipal de Dourados envolvidos no crime. Amilton Salinas foi condenado há seis anos, cinco meses e dez dias de prisão; Rodrigo Ribas Terra – o Tapado, cinco anos, 10 meses e 11 dias; Erbes Ribeiro Beatriz, condenada a 5 anos e 8 meses de reclusão; Airton Luiz Daleaste, 5 anos e oito meses; Regina de Moraes, 5 anos e 8 meses; e Carlos Alberto Spoladore da Silva condenado a 6 anos, 5 meses e 10 dias.

Em contato com Sidlei, ex-presidente da Câmara de Vereadores, disse que acata a decisão judicial, mas que irá recorrer à sentença. O Dourados News tentou contato com Júnior Teixeira, mas não conseguiu.

Na época, segundo o MPE (Ministério Público Estadual), os dois ex-vereadores com a ajuda dos ex-servidores foram acusados de fraudar empréstimos consignados feitos em nomes de funcionários da ‘Casa’.

Nas denúncias, os holerites dos funcionários eram falsificados pelo diretor financeiro da Câmara, a mando dos dois legisladores. Os valores eram aumentados em até cinco vezes para conseguir emprestar grandes somas.

Segundo o processo, os réus foram acusados por crimes de peculato, falsidade ideológica, uso de documento falso e formação de quadrilha.

Conforme decisão judicial os réus ficam obrigados a ressarcir solidariamente o erário pelos danos causados ao patrimônio público no valor de R$ 150 mil, valor aproximado dos empréstimos irregularmente contratados com juros de 1% ao mês e correção monetário pelo IGP/M.

Antes da ação da ‘Máfia dos Consignados’, Sidlei e Júnior Teixeira tiveram os nomes envolvidos na Operação Uragano, desencadeada em 1º de setembro de 2010, quando o ex-prefeito Ari Artuzi, o vice Carlinhos Cantor e outros sete vereadores – além deles -, empresários e funcionários públicos foram presos pela Polícia Federal.

Leia Também