INVESTIMENTO

Concessões devem gerar <br>R$ 80 bilhões

Concessões devem gerar <br>R$ 80 bilhões
11/01/2014 00:00 - G1


As concessões licitadas pelo governo em 2013 serão responsáveis por investimentos estimados em R$ 80,3 bilhões nos próximos 35 anos em áreas como transporte, energia elétrica, portos, petróleo e gás, aponta levantamento divulgado ontem (10) pela Secretaria de Acompanhamento Econômico (SAE), do Ministério da Fazenda.

Ao todo, o governo realizou 18 licitações no ano passado, entre elas os leilões de cinco trechos de rodovias federais, dos aeroportos do Galeão (RJ) e Confins (MG), do campo de Libra, para exploração de petróleo e gás, além da autorização para construção de cinco novos portos privados (TUPs).

O levantamento destaca que, por conta de obrigações contratuais, a maior parte desses investimentos terá que ser feita nos próximos cinco anos. É o caso, por exemplo, dos trechos de rodovias federais leiloados no ano passado, que devem estar totalmente duplicados em 5 anos. Somente as rodovias vão demandar investimentos de R$ 28,7 bilhões durante o prazo de concessão, que é de 30 anos.

Nos aeroportos, o investimento estimado é de R$ 7 bilhões. Em portos, R$ 2,4 bilhões. Já no setor de energia, são previstos R$ 26,6 bilhões, sendo R$ 8,7 bilhões em linhas de transmissão e R$ 6,9 bilhões em petróleo e gás - nesse último caso, o valor se refere apenas aos investimentos para avaliar o potencial comercial dos campos licitados e não inclui os gastos para a exploração comercial deles.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".