segunda, 23 de julho de 2018

risco

Compradora espera pela regularização do local

16 JAN 2011Por MICHELLE ROSSI 00h:00

Josefina Batista de Melo, de 54 anos, é uma das moradoras do prédio da Vila Ieda e que se arriscou fazer a transação irregular em troca de um teto. Ela revela ter "comprado" o apartamento há um ano, ao preço de por R$ 300.

Josefina Batista reside com o marido no apartamento inacabado e não soube dizer qual é a situação legal do imóvel que ocupa.

"Só rezo a Deus para que tudo dê certo", resumiu a moradora, que demonstra a sua esperança na regularização da posse observando a leitura diária de uma Bíblia que conserva no apartamento.

O marido dela é servente de pedreiro e antes de mudar-se para o prédio na Vila Ieda morava no Jardim Tarumã, região da saída para Sidrolândia, onde pagava R$ 200 de aluguel.

"Quando soubemos da oportunidade, logo compramos o apartamento. É muito difícil ter de pagar o aluguel todo mês", citou.

 Nova moradora
Uma outra moradora do prédio da Vila Ieda é Rosimere Lopes, de 23 anos. Ela se mudou para o apartamento há pouco mais de três meses, pagou R$ 750 pela vaga no imóvel, e este parece ser o preço vigente no local desde então.

A mulher, grávida de seis meses, reside com o marido e filha. O casal trabalha no Frigorífico Bertin. "Antes eu não tinha onde morar", limitou-se a dizer à reportagem, também mantendo a esperança na regularização da posse do local.

Leia Também