sexta, 20 de julho de 2018

NOVA MANIA

Compra coletiva vira “febre” entre internautas da Capital

21 NOV 2010Por ADRIANA MOLINA00h:00

Depois do sucesso das vendas pela internet, dos certames virtuais, e até mesmo do "leilão reverso" – oferta em que leva o produto quem der o menor lance único –, uma nova modalidade online tem se tornado febre entre os internautas: a compra coletiva. Apoiada na agilidade das redes sociais, esse tipo de comercialização, que está a apenas sete meses no Brasil, oferece descontos entre 50% e 90% em restaurantes, salões de beleza, pet shop, entre outros prestadores de serviços.

Em Mato Grosso do Sul a compra coletiva chegou há poucos dias. Em outubro um dos incontáveis sites com a modalidade no País começou a operar com promoções regionais e, em 24 horas vendeu na sua primeira oferta no Estado 320% mais do que a empresa contratante previu para 48 horas de promoção.

Na prática funciona da seguinte forma: um salão de beleza, por exemplo, coloca em oferta por um dia uma hidratação capilar que custa R$ 150 por apenas R$ 15 – 90% de desconto. À meia-noite é dada a largada e, por 24 horas a promoção fica no ar em um portal na internet.

Ao mesmo tempo são disparados e-mails e mensagens nas redes sociais, como twiter, facebook e orkut, avisando os internautas sobre a promoção. Os consumidores que se interessam, fazem um cadastro como em qualquer site de vendas e compram com cartão de crédito.

Se as vendas alcançarem o número mínimo estimado pelo ofertante, o negócio é fechado. Uma lista é emitida às empresas e, os compradores imprimem um cupom para ser apresentado no estabelecimento quando forem consumir ou usufruir do serviço. Dependendo do prazo estabelecido pelo vendedor, o tíquete pode ser usado em até seis meses.

Diferencial
O nome "compra coletiva" então se dá pela venda de lotes por tempo determinado – ao contrário dos sites comuns, que deixam o produto disponível até esgotar os estoques. E o grande diferencial são os descontos que vendem produtos e serviços por no mínimo, a metade do preço normal.

O primeiro portal no Brasil, já conquistou mais de um milhão de consumidores. "Verificamos uma economia ao consumidor que chega a meio milhão nesses sete meses no ar", disse Fábio Maragno, coordenador de expansão nacional do Peixe Urbano, que neste final de semana começou a operar em Mato Grosso do Sul.

Leia Também