Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Companhia aérea manda comissárias trabalharem de minissaia

Companhia aérea manda comissárias trabalharem de minissaia
16/03/2014 13:30 - FOLHAPRESS


Depois da polêmica sobre as companhias aéreas que proíbem suas comissárias de casar ou engravidar, a japonesa Skymark Airlines recebeu críticas de um grupo de comissárias de bordo que afirmam que o uniforme composto por minissaias facilitam o assédio sexual. Segundo o jornal "Japan Times", em dezembro do ano passado a empresa anunciou que voaria na aeronave 10 Airbus A330-300s pela primeira vez em seus voos Haneda-Fukuoka. Os novos uniformes foram um meio de promover a ação. As minissaias têm atraído críticas da Federação Japonesa de Comissários de Bordo, que faz parte da Federação Japonesa de Sindicato dos Trabalhadores da Aviação. O uniforme também provocou um intenso debate na Internet.

A federação afirmou que o uniforme não é apropriado para o trabalho realizado por comissárias, que inclui posições de agachamento ou alongamento. "Além disso, a empresa está tratando as mulheres como produtos, uma vez que é a publicidade do uniforme que vai atrair clientes. Nós temos que duvidar da moral da companhia", afirmou, em nota, a organização.

Um porta-voz da Skymark disse que a companhia não está tratando as mulheres como produtos e explicou que o uniforme faz parte de sua campanha para promover a estreia do A330. Ele disse que o uniforme não afeta a segurança do avião e que a empresa não tem recebido reclamações diretamente da federação. Segundo o porta-voz, a minissaia será utilizada apenas durante os seis meses da campanha, por quem trabalhar a bordo do A330. Após o período, a companhia aérea adotará novamente seu uniforme regular.
 

Felpuda


É grande a expectativa em torno de qual foi a justificativa de conhecida figura que beneficiou sujeito, e este, aproveitando a, digamos, boa vontade demonstrada, simplesmente “sumiu do mapa”. Órgão nacional pediu explicações para o “benfeitor”, e o prazo já venceu. Como as decisões por lá não ficam escondidas do distinto público, logo, logo, a curiosidade deverá ser contemplada. É esperar para conferir!