FIFA

Comitê repassa gastos da Copa a governos

Comitê repassa gastos da Copa a governos
20/01/2014 00:00 - terra


Contratos firmados para a realização da Copa do Mundo no Brasil mostram que os governos das doze sedes do evento  assumiram despesas que deveriam ser bancadas pelo Comitê Organizador Local do Mundial, órgão subsidiário da Fifa. A denúncia foi publicada no jornal Folha de S. Paulo deste domingo, que estima que até R$ 870 milhões tenham sido repassados do COL a Estados e cidades.

Segundo a publicação, o "Hosting Agreement" ("acordo para sediar", em tradução livre), um documento de 2007, lista, entre as obrigações do COL, arcar com diversos custos relacionados aos estádios, como o fornecimento de tecnologia da informação, de cercas para isolamento, de infraestrutura de mídia, de controle de acesso dos torcedores, entre outros. Porém, a partir de 2009, custos teriam sido empurrados para o poder público por meio de contratos aditivos. "Se não assinássemos os aditivos, nós estaríamos declinando de ser sede da Copa", declarou Ney Campello, secretário da Copa na Bahia. Eventos como os sorteios das eliminatórias, em 2011, e das chaves do Mundial, em 2013, foram bancados essencialmente com dinheiro público. A reportagem não oferece contrapontos à denúncia.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".