REFORMA POLÍTICA

Comissão se reúne para discutir sistema eleitoral

Comissão se reúne para discutir sistema eleitoral
05/04/2011 00:00 - AGÊNCIA CÂMARA


A Comissão Especial  da Reforma Política se reúne nesta terça-feira (5) para discutir modelos de sistemas eleitorais – sistema proporcional, voto distrital, voto distrital misto, voto majoritário da circunscrição (o chamado distritão, que corresponde a todos os eleitores de um estado), lista aberta de candidatos (sistema atual) e lista preordenada de candidatos. Na semana passada, a reunião  foi cancelada devido à morte do ex-vice-presidente da República José Alencar.

Nesta fase dos trabalhos, a comissão analisa os modelos de sistemas eleitorais. Os debates seguintes tratarão de financiamento de campanhas, de regras de campanhas e propaganda eleitoral e de instrumentos de participação popular (como plebiscito, referendo e projetos de iniciativa popular). Paralelamente, serão realizadas cinco audiências externas, nas cinco regiões geográficas brasileiras.

O presidente da comissão, deputado Almeida Lima (PMDB-SE), disse que serão apresentados, ao final dos trabalhos, três propostas legislativas de acordo com a natureza dos temas: uma proposta de emenda à Constituição (PEC), um projeto de lei e um projeto de lei complementar. O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) anunciou que o seu partido vai defender que a reforma política aprovada no Congresso seja submetida à aprovação popular, por meio de plebiscito ou referendo.

A reunião será realizada às 14h, em plenário a definir.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".