Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

REFORMA POLÍTICA

Comissão no Senado inicia discussões no dia 15

2 MAR 11 - 00h:00ESTADÃO

A Comissão Especial da Reforma Política no Senado aprovou nesta terça-feira, 1º, o cronograma de trabalhos proposto pelo presidente, senador Francisco Dornelles (PP-RJ). Os senadores concordaram que as propostas serão aprovadas por maioria simples, sem que seja preciso atingir um consenso sobre determinado tema, o que dará agilidade aos trabalhos, acredita Dornelles. A comissão encaminhará ao plenário um projeto final de reforma política até o dia 8 de abril.

Dornelles convocou sete reuniões até 5 de abril, em que cada encontro será dedicado ao debate de temas específicos. Na primeira reunião, convocada para 15 de março, a comissão discutirá propostas sobre novas regras para suplência de senador e mudança da data da posse do presidente da República, governadores e prefeitos. O senador Jorge Viana (PT-AC), que integra a comissão, afirmou que considera viável a reforma se a maioria das propostas tratar de matérias infraconstitucionais. "Podemos fazer mudanças substanciais no sistema político sem mexer na Constituição", observou o petista. Ele não acha possível reunir três quintos do Congresso para aprovar reformas constitucionais em torno de temas polêmicos, como fidelidade partidária, por exemplo.

Mas Viana ponderou que é possível aprovar o fim das coligações nas eleições proporcionais alterando apenas a legislação ordinária. Essa é uma mudança desejada pela maioria dos parlamentares. Outra mudança cobiçada pela maioria é a data da posse do presidente da República. "Há 15 anos tramita um projeto sugerindo que o presidente tome posse no dia 6 de janeiro e os governadores de Estado no dia 5", lembrou Aécio Neves (PSDB-MG). Neste caso, seria preciso mudar a Constituição. Mas como o pleito tem o respaldo da maioria, tem chance de ser aprovado.

Os demais temas a serem debatidos pela comissão são os seguintes: voto facultativo, reeleição e duração dos mandatos, no dia 17 de março; sistemas eleitorais e fim das coligações nas eleições proporcionais, em 22 de março; financiamento público das campanhas, cláusula de desempenho dos partidos e candidatura avulsa, em 24 de março; fidelidade partidária, filiação e domicílio eleitoral, em 29 de março. As duas últimas reuniões, programadas para 31 de março e 5 de abril, serão reservadas à elaboração do texto final.


 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Internacional

Papa aceita renúncia de cardeal chileno acusado de envolvimento em escândalo sexual

Ezzati foi acusado de supostamente encobrir casos de abuso
Mandetta não garante recursos federais <br>para combater epidemia na Capital
AGENDA EM CAMPO GRANDE

Mandetta não garante recursos federais para combater epidemia na Capital

Tragédia

Chega a 417 número de mortes em Moçambique após ciclone

POLÍTICA

Maia diz que vai se empenhar em favor da reforma da Previdência

Presidente da Câmara sugere que deputados sejam ouvidos pelo Planalto

Mais Lidas