Domingo, 18 de Fevereiro de 2018

dourados

Comissão decide hoje destino de Artuzi e vice

17 NOV 2010Por Fábio Dorta, de Dourados 00h:00

Os integrantes das comissões processantes abertas pela Câmara Municipal de Dourados com objetivo de cassar os mandatos do prefeito Ari Artuzi (sem partido) e do vice Carlinhos Cantor (PR), com base nas investigações da Operação Urgano da Polícia Federal, vão se reunir nesta quarta-feira para decidir se as investigações terão prosseguimento.

Cantor, assim como Artuzi, pediu o arquivamento da CP. A informação é do verea-dor Idenor Machado (DEM), relator das duas comissões. Venceu ontem o prazo para que Artuzi e o vice apresentassem suas defesas prévias. O vice-prefeito se antecipou e entregou o documento na última sexta-feira.

O argumento principal de Cantor foi de que os vereadores não respeitaram o princípio da proporcionalidade entre as bancadas ao nomear os integrantes da Comissão. Além de Machado, ainda fazem parte da CP contra o vice-prefeito os vereadores Walter Hora (PPS) como presidente e Cido Medeiros (DEM), na condição de membro.

Decisões
As alegações da defesa serão agora analisadas pela Comissão. "Vamos analisar a partir de amanhã (hoje) nesta reunião, juntamente com a assessoria jurídica, para definir se acatamos o pedido de arquivamento ou decidimos pela continuidade dos trabalhos", afirmou o relator. O prazo para esta decisão é de cinco dias.

Já a defesa do prefeito não foi apresentada. Até o fim da tarde de ontem, o representante de Ari Artuzi ainda não havia protocolado sua defesa na secretaria da Câmara Municipal. Com isso, ele corre o risco de ser julgado à revelia.

"Este também é um caso que vamos discutir com a assessoria jurídica da Câmara para definir o caminho a ser seguido", explicou Idenor Machado. O advogado de Artuzi, Carlos Alberto de Jesus Marques, foi procurado pela reportagem, mas não atendeu a ligação.

Ari Artuzi e Carlinhos Cantor estão presos desde o dia 1º de setembro e foram afastados do cargo por determinação do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS).

Leia Também