DIA DAS MÃES

Comércio da Capital espera alta de até 9,5% nas vendas

Comércio da Capital espera alta de até 9,5% nas vendas
29/04/2011 08:25 - ROSANA SIQUEIRA / GABRIEL MAYMONE


A menos de duas semanas para o Dia das Mães, que será comemorado em 8 de maio, os comerciantes da Capital começam a perceber um leve aquecimento nas vendas. Segundo a Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) a aposta é de aumento de 8% a 9,5% na comercialização de produtos alusivos à data neste ano.

Segundo a assessoria de imprensa da Associação, em setores como lojas de roupas, calçados, perfumes, celulares e eletroeletrônicos, o acréscimo pode variar de 20% à 30%.

A vendedora de roupas femininas da loja Farfalla, Fernanda Xavier, explicou que a expectativa é que haja um aumento de 70% nas vendas de Maio em relação a Abril, mas que não tem certeza se este ano, o dia das mães será melhor que ano passado, "este ano o movimento está fraco, mas temos promoções e sorteios para atrair o público" garante a vendedora.

"O dia das mãe é o segundo natal para o comércio" relata a gerente de marketing do shopping Pátio Central Aline Dossa, que completa dizendo que este ano haverá brindes para quem fizer compras no local, "o objetivo é agradar o consumidor mesmo", finaliza Aline.

A expectativa é que as vendas aumentem a partir da próxima semana, quando a maioria dos trabalhadores recebe os salários.

 
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".