Quarta, 21 de Fevereiro de 2018

APREENSÃO EM SÃO PAULO

Comerciante preso com 600 kg de cocaína

23 OUT 2010Por Vânya Santos08h:32

 

Dois sul-mato-grossenses, um deles de Campo Grande,  foram presos num sítio em Ibiúna, região de Sorocaba, em São Paulo, com um carregamento de aproximadamente 600 quilos de cocaína. Três traficantes que abasteciam parte daquele Estado também foram presos. O trabalho de investigação, que durou cerca de quatro meses, as prisões e apreensões foram feitas pela equipe do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), sob a coordenação do diretor Marco Antônio de Paula Santos.
 
Conforme o delegado, o comerciante Gilmar Flores, de 48 anos, que mora na Rua 15 de novembro, região central de Campo Grande, foi quem conduziu a cocaína de Mato Grosso do Sul até São Paulo, numa carreta com placas de Toledo, Paraná. Junto com o comerciante estava o servente de pedreiro Leandro Cáceres Guimarães, de 27 anos, que mora na Rua Arthur de Oliveira, no município de Antônio João, que faz fronteira com o Paraguai. 
 
Segundo o diretor Marco Antônio, o entorpecente seria entregue para o traficante Ronaldo Cavalcanti de Oliveira, de 38 anos, que mora em São Bernando do Campo, e para o libanês Mohamad Ali Jaber, de 41 anos, que tem comércio na região central de São Paulo. Também foi preso o eletricista Everson Pereira da Silva, 35 anos, considerado braço direito de Ronaldo.
 
O delegado explicou que Ronaldo fornece droga para a região do ABC Paulista, parte da zona sul e Baixada Santista. Já Mohamad esteve preso até 2007 condenado por tráfico de droga e sua área de atuação hoje é a região central de São Paulo. Além da carreta e de um caminhão Sprinter, foram apreendidos um veículo Gol e um Siena.
 
Investigação
Marco Antônio explicou que há quatro meses sua equipe investigava Ronaldo e Everson. Durante este período, agentes descobriram que Ronaldo era dono de uma grande propriedade rural em Ibiúna. Policiais passaram a vigiar o local e notaram que, por volta das 21h desta quinta-feira, chegou uma carreta ao sítio. O veículo, que estava vazio, saiu de Mato Grosso do Sul carregado com açúcar.
 
Diante da intensa movimentação, policiais resolveram abordar um caminhão modelo Sprinter que deixava o sítio. No veículo estava o libanês Mohamed, Everton e Leandro, mas nada de ilícito foi encontrado. Ronaldo e Gilmar foram abordados na propriedade e, ao lado da carreta, investigadores encontraram engradados de madeira com resquícios de droga. 
 
O delegado relatou que antes o Denarc de São Paulo tinha como objetivo interceptar grandes carregamentos de droga, no entanto, hoje a equipe mudou o método de trabalho e visa desmantelar as organizações criminosas, sendo que a apreensão de droga torna-se uma consequência da ação policial. “Quando a gente prende só o carregamento, logo eles repõem, mas, em tese, com eles presos, a gente inibe o tráfico”. 
 
Cocaína
O diretor do Denarc contou que cerca de 600 quilos de cocaína estavam acomodados em engradados de madeira escondidos sob a carga de açúcar. Após a entrega do açúcar, eles recuperaram os engradados e colocaram a droga num fundo falso embaixo do assoalho do caminhão Sprinter. “Tiramos todo o assoalho que estava parafusado e encontramos a cocaína distribuída em tabletes de aproximadamente um quilo cada”, explicou o delegado.
 
A Polícia Civil estima que a droga esteja avaliada em US$ 3,6 milhões se adquirida por atacado, já que o quilo da cocaína pode ser vendido por até US$ 6 mil em São Paulo. Já a venda do entorpecente no varejo pode render aproximadamente US$ 14,4 milhões aos traficantes.
 
Em Mato Grosso do Sul, a maior apreensão de cocaína ocorreu na madrugada de 8 de maio deste ano, na BR-267, em Jardim. Na ocasião, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) descobriu 750 quilos da droga escondidos num caminhão-baú, juntamente com carga de carne bovina. O motorista que levaria o entorpecente para São Paulo fugiu.

Leia Também