Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 14 de dezembro de 2018

MAIS DE 30 ANOS

Começa na França julgamento polêmico dos anos 80

29 MAR 2011Por FOLHA ONLINE12h:46

Após mais de 30 anos, teve início nesta terça-feira em Paris o julgamento do médico alemão Dieter Krombach, 75, acusado pelo assassinato da filha de sua mulher, Kalinka, na presença do pai da vítima, André Bamberski, de 73 anos.

 

Dieter Krombach, julgado à revelia pela justiça francesa em 1995, que o condenou a 15 anos de prisão, chegou ao tribunal caminhando com dificuldade e auxiliado por uma bengala.

Krombach não olhou para André Bamberski, que o persegue desde 1982 e não hesitou em sequestrá-lo na Alemanha para que o padrasto de sua filha fosse julgado na França.

Kalinka tinha 14 anos em 10 de julho de 1982 quando foi encontrada morta na cama, na casa em que morava com a mãe e o marido desta em Lindau, no sul da Alemanha.

A necropsia não conseguiu esclarecer o motivo da morte, já que a adolescente estava em perfeito estado de saúde.

Análises no corpo da vítima revelaram uma série de elementos que colocaram em dúvida as explicações de Krombach sobre as horas prévias à morte da adolescente.

 

Histórico

Em um primeiro momento, Dieter Krombach afirmou ter aplicado uma solução à base de ferro para que a jovem se bronzeasse mais rápido. Depois disse que Kalinka tinha anemia.

 

A Justiça alemã considerou as provas insuficientes e arquivou o caso em 1987, mas a França o julgou em 1995 e o condenou à revelia a 15 anos de prisão --pena máxima para o caso-- por "violência voluntária que provocou homicídio culposo".

A França pediu a extradição em 2004, mas a Alemanha afirmou que já havia julgado o caso.

Por este motivo, André Bamberski decidiu sequestrar o médico em 17 de outubro de 2009 em sua casa de Scheidegg. Dieter Krombach apareceu algemado perto do tribunal de Mulhouse, leste da França.

O episódio que parece retirado de uma cena de filme permitiu à Justiça francesa prender Krombach e organizar um novo julgamento, que deve prosseguir até 8 de abril, para tentar esclarecer as misteriosas circunstâncias da morte de Kalinka.

"Para Krombach a perspectiva de ser julgado é insuportável, mas desta vez não escapará", disse Laurente de Caunes, advogado de Bamberski.

Um dos advogados de defesa de Krombach, Philippe Ohayon, vai pedir a anulação do julgamento, alegando as circunstâncias nas quais o médico foi levado para o território francês.

O médico foi condenado em 1997 na Alemanha por ter violentado uma paciente.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também