CIDADES

Comandante diz que a PM não foi chamada para fazer policiamento

Comandante diz que a PM não foi chamada para fazer policiamento
23/03/2010 08:45 -


Após o assassinato do estudante Nailton Martins de Lima, ocorrido na quadra da Escola Municipal Plínio Barbosa Martins, a Polícia Militar pretende garantir a segurança nos estabelecimentos públicos de ensino também durante atividades desenvolvidas nos fins de semana. O coronel Carlos Alberto David dos Santos, comandante-geral da PM, justificou que não havia policial na escola onde aconteceu o assassinato, porque não foi feita nenhuma solicitação para a prestação desse serviço no local. Segundo ele, o comando do batalhão responsável pelo Jardim das Macaúbas, onde fica o colégio cenário do crime, já entrou em contato com a direção da escola para que a PM seja parceira em atividades aos fins de semana. “Outras escolas que também tenham projetos podem ter a nossa parceria, desde que nos procure”, afirmou. O coronel disse que a polícia apoia atividades como as desenvolvidas pelo Escola Viva, da qual participava o garoto assassinado, principalmente porque evita que crianças e adolescentes se envolvam com a criminalidade. “Hoje, infelizmente, apreendemos muitos menores infratores. Do total de envolvidos em assaltos a coletivos, a maioria é de menor infrator”, afirmou.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".