TRAGÉDIA

Comandante da Azul está entre <br>os mortos de acidente aéreo

Comandante da Azul está entre <br>os mortos de acidente aéreo
18/08/2012 18:00 - G1


O comandante da companhia aérea Azul Araken de Oliveira Salamene está entre os mortos do acidente entre dois aviões de pequeno porte em Santa Bárbara D'Oeste (SP) neste sábado (18), de acordo com o delegado responsável pelo caso, Rômulo Gobbi. Segundo a Polícia Civil, ele tinha 52 anos, morava em Campinas (SP) e pilotava o avião particular dele, um Embraer 771, que colidiu no ar com outro monomotor do mesmo modelo. Os dois aviões caíram em uma área de plantação e explodiram. Quatro pessoas morreram no acidente.

De acordo com a polícia, além de Salamene, estão entre as vítimas o piloto Cassiano Ricardo Callegaris, de 41 anos, também de Campinas, e o despachante de voo Voninho Souza Aguiar, de 33 anos, morador de Sumaré (SP). O corpo da quarta vítima está no Instituto Médico Legal de Americana (SP) para identificação. De acordo com o delegado de Santa Bárbara D'Oeste, Rômulo Gobbi, a suspeita é que ela seja o sobrinho do comandante da Azul.

As aeronaves partiram às 9h do Aeroporto Campo dos Amarais, em Campinas, e tinham como destino o condomínio aeronáutico Fazenda Bonanza, em Salto de Pirapora, na região de Sorocaba (SP). A informação foi confirmada pelo administrador regional do aeroporto, Tadeu Oliveira. No avião de prefixo PT NKA estavam Araken Salamene e a vítima não identificada, e no de prefixo PT NIR, Cassiano Callegaris e Voninho Aguiar. A Polícia Civil não informou quem pilotava as aeronaves.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".