Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Com sete vidas

7 ABR 10 - 19h:56

Mariana Trigo, TV Press

Originalidade nunca foi o forte de "Cama de gato". Nem mesmo personagens complexos ou tramas muito elaboradas. Mas nem por isso a novela de Duca Rachid e Thelma Guedes deixou a desejar no horário das seis da Globo. Pelo contrário. Apesar de recorrer constantemente a fórmulas gastas na dramaturgia, o folhetim alcançou um feito já não tão comum nas produções atuais: empolgar do início ao fim. Entre conversas ouvidas atrás de portas, armações previsíveis e histórias água com açúcar, a novela conseguiu manter o fôlego e o ritmo ágil nesses quase seis meses no ar. E, mesmo tendo sofrido com a queda de audiência que assombra a dramaturgia da emissora, sustentou os índices na atualmente razoável casa dos 24 pontos.

A rapidez com que a história evoluiu e a grande quantidade de acontecimentos importantes por capítulo são os maiores atrativos de "Cama de gato". Com tramas repletas de altos e baixos, a novela cumpriu bem a função de prender a atenção do público e conseguiu despertar tanto simpatia quanto aversão por muitos dos seus personagens. Além do bom texto e da direção cautelosa, o destaque fica por conta de algumas boas atuações. É o caso da excelente Camila Pitanga, que interpretou com precisão a bondosa e sofrida mocinha Rose. Ou ainda de Paola Oliveira, que compôs com segurança a maquiavélica vilã Verônica. Apesar dos fortes traços maniqueístas das personagens, as atrizes conseguiram encontrar um tom que, apesar de ser aproximar do caricato, sempre convenceu.

O mesmo já não pode ser dito de Marcos Palmeira, que manteve uma atuação rasa como o insosso empresário Gustavo Brandão. A transformação do homem arrogante e prepotente em uma pessoa boa e regenerada beirou várias vezes a artificialidade. E, nessas circunstâncias, quem ganhou espaço foi a figura de seu ex-amigo Alcino, de Carmo Dalla Vecchia, que cresceu na trama e passou a disputar com ele o coração de Rose, com quem forma um par muito mais carismático.

A questão do resgate de valores – tema tratado de modo enfadonho com o protagonista Gustavo – assumiu novos contornos no núcleo jovem, que se destacou ao longo da novela. O maior exemplo disso é a história de Pedro, ótima interpretação do iniciante Ronny Kriwat. O rapaz, que no início da novela era rebelde e desinteressado, se transformou em um jovem correto e responsável ao se apaixonar por Débora, de Guta Gonçalves, com quem teve uma filha. O relacionamento bem conduzido entre os dois foi uma das gratas surpresas da história e, com as abruptas mudanças de rumos, contribuiu com um novo gás necessário à reta final do folhetim.

Mesmo apostando em uma dramaturgia convencional, "Cama de gato" conseguiu surpreender e empolgar. Prova de que um enredo bem trabalhado ainda consegue cativar e segurar a audiência sem precisar ousar. E, mesmo não inovando, a trama de Duca Rachid e Thelma Guedes sem dúvida trouxe um novo frescor para a faixa das seis da Globo, longe dos marasmos campestres e dos sotaques rurais que teimam em bater ponto no horário.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

QUEDA DE 0,72%

Dólar cai a R$ 4,11 com fala de Powell e abertura de capital da XP

Justiça determina que PRF volte a usar radares móveis em rodovias
LIMINAR

Justiça determina que PRF volte a usar radares móveis em rodovias

Corregedoria do TJ abre procedimento para apurar caso de tortura de criança adotada em MS
INTERNADO

TJ abre procedimento para apurar caso de tortura de criança adotada em MS

Julgamento de recurso de PRF que matou empresário é adiado
PEDIDO DA DEFESA

Julgamento de recurso de PRF que matou empresário é adiado

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião