Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Com saúde precária, morrem gêmeas siamesas

20 MAR 10 - 03h:18
Após 13 d i as de v id a, morreram na madrugada de quinta-feira as gêmeas siamesas unidas por vários órgãos, entre eles o coração. Elas nasceram no último dia 5, no Hospital Regional Rosa Pedrossian, em Campo Grande. O estado de saúde das irmãs era grave desde o início. A lém de serem ligadas por vários órgãos, elas tinham um único coração e também nasceram prematuras de 31 semanas (uma gestação dura em média 40 semanas). Situações que dificultavam a melhoria do estado de saúde. Por conta da gravidade do caso, as gêmeas não puderam ser submetidas a exames complementares, que seriam realizados na Santa Casa, capazes de definir a extensão de “má-formações cardiocirculatórias” e se era possível submetê-las a cirurgia de separação. A família não autorizou autópsia nos corpos e por isso a causa das mortes não pode ser especificada. A mãe das meninas é uma adolescente de 14 anos, moradora da Capital, e sabia da condição dos bebês desde a primeira ultrassonografia, assim como os obstetras que acompanharam a gestação. Logo que as gêmeas nasceram foram encaminhadas para o Centro de Terapia Intensiva (CTI) e respiravam com a ajuda de aparelhos. A mãe, recebeu alta três dias após a cesariana e retirou leite materno em quantidade suficiente para amamentar as filhas. O pai delas seria um adolescente de 17 anos. O casal visitava as gêmeas todos os dias. Cinco dias após o nascimento das siamesas, a família proibiu o Hospital Regional Rosa Pedrossian de divulgar qualquer informação referente ao estado de saúde das crianças. Os familiares registraram uma reclamação na ouvidoria do estabelecimento informando que a proibição era um pedido da mãe.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião