Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TERMINAL RODOVIÁRIO

Com obra pronta, Guarda não ocupa prédio

Com obra pronta, Guarda não ocupa prédio
08/09/2010 23:51 -


Anahi Zurutuza

Inaugurada há quase um mês, o prédio construído no térreo do antigo Terminal Rodoviário de Campo Grande, para abrigar a Guarda Municipal, ainda não foi ocupado pelo órgão. De acordo com o secretário municipal de Governo e Relações Institucionais, Rodrigo Aquino, tanto a Guarda Municipal quanto a Defesa Civil continuam funcionando em espaço localizado na Avenida Calógeras, próximo à Feira Central, porque os móveis adquiridos pela prefeitura para estruturar a nova sede ainda não foram entregues.
“O espaço que construímos na rodoviária é bem maior do que o local onde até hoje a Guarda funciona, por isso, optamos por comprar móveis novos. Mas, a questão é que até que para adquirir a mobília a gente tem de abrir licitação. Houve uma certa demora para ocupar a sede nova, somente por conta do entrave burocrático”, explicou Aquino. O secretário garante que em duas semanas a Guarda Municipal e Defesa Civil já estarão instaladas no novo prédio. “Temos que fazer a mudança antes do término desta primeira semana de setembro, até porque na semana que vem já vão começar a trabalhar na reforma do Complexo Ferroviário, onde eles ainda estão”.
A sede da Guarda Municipal de Campo Grande foi inaugurada no dia 8 de agosto, quando foram comemorados os 20 anos da existência do órgão.

Armas
Em agosto, o prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), esteve em Brasília (DF) para protocolar projeto que pleiteia recursos, na ordem de R$ 3 milhões, do Ministério da Justiça, por meio do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), para armar, comprar viaturas e equipamentos mais modernos para a Guarda Municipal de Campo Grande.

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!