Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

GROTESCA

Com falha de Ceni, Náutico faz 3 e complica São Paulo

15 AGO 2012Por TERRA23h:11

Uma falha grotesca de Rogério Ceni sacramentou na noite desta quarta-feira a terceira derrota consecutiva do São Paulo no Campeonato Brasileiro. Com um gol contra do goleiro do time tricolor, o Náutico venceu pelo placar de 3 a 0 e aumentou a pressão sobre o clube paulistano (e o trabalho de Ney Franco) ao final da 17ª rodada da Série A. O erro do ídolo são-paulino foi segundo nos últimos três jogos - diante do Fluminense, na última semana, Rogério se equivocou em uma saída de bola e viu a bola entrar nas redes.

A primeira vitória em três rodadas afastou ainda mais o Náutico da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. O triunfo no Estádio dos Aflitos deixou o clube alvirrubro com 20 pontos conquistados, cinco a mais do que Coritiba, primeiro time na degola e que entra em campo nesta quinta-feira para encarar o Vasco, fora de casa. O São Paulo, que soma três derrotas seguidas, estacionou nos 25 e vê ainda mais de longe o G4 - o Grêmio, com 31, é o quarto colocado.

Embalado pela sexta vitória no Campeonato Brasileiro, o Náutico tentará embalar na competição no próximo sábado, às 18h30 (de Brasília), quando receberá o Bahia, que venceu nesta quarta-feira a Ponte Preta por 2 a 0, em Campinas. Já o abatido São Paulo, afastado dos líderes da competição pelos últimos resultados, encara na mesma data, mas às 21h, a Ponte Preta, no Morumbi.

O esquema de três zagueiros armados por Ney Franco acabou neutralizado pelo Náutico logo nos primeiros minutos de partida. Ofensivo, o clube pernambucano pressionou a saída de bola do clube paulista e obrigou o jogo de ligação de direta por parte dos visitantes. A primeira grande oportunidade dos donos da casa surgiu aos 7min. Araújo chutou da entrada da área e obrigou Rogério Ceni a fazer grande defesa. No rebote, o próprio Araújo isolou e perdeu uma chance incrível.

As duas chances perdidas por Araújo no mesmo lance preocuparam Ney Franco. Com a defesa exposta, o treinador são-paulino abandonou o esquema com três zagueiros com pouco mais de dez minutos de partida. Preocupado com a ¿correria¿ dos pernambucanos, o comandante tirou João Filipe, zagueiro mais posicionado pela direita, e colocou Casemiro, reforçando o setor de meio-campo e, por consequência, recuando Douglas e Cortez.

A tentativa de Ney Franco, contudo, caiu em pouco mais de um minuto. Kieza recebeu dentro da área e chutou firme para o gol. Contudo, no meio do caminho, Rafael Tolói tocou com o braço e cometeu o pênalti. Na cobrança da penalidade máxima, o próprio Kieza bateu firme no canto direito de Rogério Ceni e saiu para comemorar a abertura do marcador.

O ritmo ofensivo e veloz do Náutico vitimou o São Paulo no Estádio dos Aflitos. Sem conseguir acompanhar o clube mandante, o time tricolor deixou os primeiros 45 minutos com um prejuízo ainda maior. Em contra-ataque rápido aos 29min, Rhayner deixou Douglas no chão, invadiu a área e obrigou outra boa defesa de Rogério Ceni. Atento e, desta vez, oportunista, Araújo pegou o rebote e ampliou o marcador.

Mesmo com a confortável vantagem no marcador, o Náutico seguiu apostando na velocidade dos seus atacantes para superar a defesa são-paulina. Diante de um rival passivo e totalmente abatido, o time pernambucano acelerou o ritmo e minou qualquer tentativa de reação por parte dos visitantes. Por outro lado, lento no meio-campo e com Jadson muito marcado, a equipe de Ney Franco não conseguia chegar ao gol de Gideão.

A situação dos paulistas se complicou ainda mais aos 16min. O meio-campista Souza bateu um escanteio aberto para dentro da área, mas viu a bola tomar uma trajetória inesperada. Ao tentar afastar de soco, Rogério Ceni impulsionou a bola na direção contrária e colocou a bola contra o próprio patrimônio. Lance que sacramentou de uma maneira bizarra a melancólica atuação são-paulina no Estádio dos Aflitos.  

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também