Quinta, 18 de Janeiro de 2018

Saúde

Com as defesas em baixa

25 JAN 2010Por LUANA MARTINS, BOLSA DE MULHER07h:34
É um desespero. De um dia para o outro o pequeno não para de se adoentar. São pneumonias, otites, sinusites, problemas intestinais. E como se não bastasse a grande lista de infecções, elas são frequentes e dão a cara mais de duas vezes ao ano. Cuidado: o que poderia parecer uma simples queda na imunidade do filhote pode, ser na verdade, manifestação das chamadas síndromes de imunodeficiência primária. E, para recuperar a vida saudável do bebê, elas precisam de tratamento. O sistema imune é bastante complexo e envolve desde órgãos como a pele e o tubo digestivo até as diferentes células de defesa do sangue. As síndromes de imunodeficiência primária são caracterizadas por uma falha genética nesse sistema imune – seja por uma menor produção de células de defesa, seja pela produção de células que não exercem sua função adequadamente – facilitando a invasão de microorganismos Tipos As imunodeficiências são divididas em dois tipos: primária (congênita) e secundária (adquirida). A imunodeficiência primária é aquela adquirida no nascimento por causas genéticas (mas nem sempre é manifesta nos pais). Já a secundária é resultado da ação de fatores externos, e geralmente, vinculada a doenças como desnutrição, leucemia, Aids, ou ao uso de drogas imunossupressoras utilizadas nos tratamentos contra o câncer. Por representar uma falha no sistema imunológico, crianças que sofrem de imunodeficiências apresentam um número grande de infecções, sejam elas respiratórias como otites, pneumonias ou sinusites repetidas, sejam infecções intestinais ou de pele. Essas infecções são mais frequentes que o normal, manifestam-se em um grau mais grave que o habitua l e com resposta mais lenta aos antibióticos convencionais.

Leia Também