sexta, 20 de julho de 2018

CORRIDA PRESIDENCIAL

CNT/Sensus mostra empate técnico entre Dilma e Serra

15 OUT 2010Por 01h:40

Brasília

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, e o candidato do PSDB, José Serra, estão tecnicamente empatados na corrida para o Palácio do Planalto, de acordo com a pesquisa CNT/Sensus divulgada ontem. Segundo o levantamento, Dilma tem 46,8% do total de intenções de votos, enquanto Serra tem 42,7%. Como a margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos porcentuais para mais ou para menos, a CNT explicou que essa diferença entre os dois candidatos se configura em empate técnico. Os votos brancos e nulos somam 4%, enquanto 6,6% dos entrevistados estão indecisos ou não souberam responderam.
Considerando-se apenas os votos válidos, desconsiderando os votos brancos, nulos e os indecisos, Dilma tem 52,3% e Serra aparece com 47,7% das intenções.
Antes da realização do primeiro turno das eleições, no início deste mês, Dilma detinha 53,9% das intenções totais de votos e Serra tinha 34,5%, em uma simulação para um, até então, eventual segundo turno.
A pesquisa CNT/Sensus mostrou ainda que o índice de rejeição da candidata Dilma Rousseff ficou em 35,4%, ante 32,6% na simulação antes do primeiro turno, realizada entre os dias 26 e 28 de setembro. Serra, por sua vez, teve queda na rejeição, passando de 40,2% para 37,5%, no mesmo período.
O levantamento mostra que 43,3% dos entrevistados disseram que Dilma seria o único candidato em que votariam para presidente, enquanto 37% afirmaram que votariam apenas em José Serra. A pesquisa também questionou sobre as expectativas de vitória dos eleitores, em que 59,6% disseram acreditar que Dilma irá vencer as eleições, enquanto 29% disseram acreditar que Serra sairá vencedor. Essa pergunta foi feita independente do voto declarado pelo entrevistado.
A pesquisa CNT/Sensus ouviu 2 mil pessoas em 136 municípios nas cinco regiões do País e em todos os Estados brasileiros, entre os dias 11 e 13 de outubro, e foi registrada no TSE com o número 35.560/2010.

Leia Também