CONSUMIDOR

Clima e custo do frete elevam preço dos alimentos

Clima e custo do frete elevam preço dos alimentos
03/08/2012 00:02 - VINICIUS SQUINELO


A época não está boa para fazer compras em Campo Grande. Com problemas de clima e transporte, os principais alimentos da mesa do brasileiro estão com os preços mais salgados. Em Campo Grande a alta supera os 60% entre janeiro e julho deste ano. Os preços foram levantados pelo Núcleo de Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes), da Universidade Anhanguera-Uniderp.

O maior aumento é registrado no tomate, que custa hoje em média R$ 4,92 o quilo, 61% a mais que os R$ 3,05 cotados no fim de julho do ano passado. “Mais de 90% do tomate que vendemos vem de outros lugares, principalmente São Paulo, e o transporte está muito caro, além dos problemas de quebra de safra”, explicou Paulo Ricelly, gerente de uma loja no Mercadão Municipal.

Companheira do tomate na salada, a cebola também não está sendo boa amiga para o bolso. O quilo do produta fechou mês passado custando R$ 2,31, 15,7% mais caro do que o mesmo período de 2011, quando custava R$ 2.

Leia mais no jornal Correio do Estado

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".