Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

'A MONTANHA DOS SETE ABUTRES

Clássico do cinema será exibido amanhã no MIS

Clássico do cinema será exibido amanhã no MIS
18/03/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


O projeto Clube dos Cineclubes abre a temporada 2014 amanhã (19), às 19h, no Museu da Imagem e do Som (MIS), exibindo o filme “A Montanha dos Sete Abutres”, de Billy Wilder. O evento é oferecido pelo cineclube CineCacos, que também organizará um debate após a exibição do longa. A entrada é franca.

Considerado um clássico do cinema, “A Montanha dos Sete Abutres” (Drama, 111min, 1951) é uma ficção que acentua uma crítica ao jornalismo sensacionalista exercido de forma irresponsável. Billy Wilder, o diretor do filme, trabalhou como jornalista antes do cinema e teve uma carreira vitoriosa na sétima arte, sendo premiado com vários “Oscar” por The Lost Weekend (1945) nas categorias melhor filme, direção e roteiro e Sunset Boulevard (1950), com melhor roteiro.

Charles Tatum, interpretado por Kirk Douglas, é um jornalista que, após perder diversos empregos em jornais grandes, consegue se empregar no pequeno jornal de uma cidade interiorana chamada Albuquerque. Contudo, manter-se nesse jornal não é a meta de Tatum, que espera ansiosamente por um furo de reportagem que o recoloque na grande imprensa. Inescrupuloso e capaz de manipular, distorcer ou inventar fatos, Tatum está disposto a tudo para conseguir a grande matéria que o levará de volta para a sua antiga posição.

Serviço

O Museu da Imagem e do Som fica no Memorial da Cultura, na avenida Fernando Corrêa da Costa, 559, 3º andar. Outras Informações pelo e-mail mis@fcms.ms.gov.br e pelo telefone 3316-9178.

Felpuda


Outrora afinadíssimo com o presidente Jair Bolsonaro, parlamentar sul-mato-grossense começou a ser escanteado em consequência de uma das crises políticas de grande repercussão. A figura entrou em campo e botou falação sobre o que estava ocorrendo, e isso soou que só como crítica pesada ao governo, que, como não poderia deixar de ser, não gostou nadica de nada. Há quem diga que o dito-cujo é muito levado “pelo sangue”. Então, tá!...