Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 18 de dezembro de 2018

plática

Cirurgiões terão cartilha com regras de segurança

19 MAR 2011Por veja00h:00

Desde a sexta-feira (18) cada cirurgia plástica no país passa regida por uma cartilha com normas de segurança que a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) está lançando. Segundo o presidente da Comissão de Ciência e Segurança da entidade, Ewaldo Bolívar de Souza Pinto, essas regras - que ainda não haviam sido estabelecidas formalmente - foram criadas para "oficializar as orientações e conscientizar os profissionais sobre o que deve ser feito durante o procedimento, o que muitas vezes é ignorado ou esquecido pelos médicos”.

O documento de três páginas reúne orientações principalmente em relação à realização de exames pré-operatórios e a importância da anestesia. “O anestesiologista não pode sair da sala e nunca deve fazer dois procedimentos ao mesmo tempo”, enfatiza o texto. Todos os profissionais, na verdade, precisam evitar realizar funções múltiplas, que prolonguem o tempo da operação. “Depois de quatro horas, os riscos de complicações cirúrgicas aumentam”, explica Souza Pinto.

Para que o procedimento seja bem-sucedido, a cartilha ainda destaca a importância de o paciente ser submetido a mais de dez exames, como hemograma, urina, glicemia e raio-x de tórax, antes de ser levado à mesa de cirurgia. Durante o processo, é necessário ter sempre por perto um banco de sangue e uma UTI, para que eventuais complicações possam ser contornadas com mais eficiência. E depois da operação, o paciente deve ser encaminhado a uma sala de recuperação.

Banalização - Com o novo conjunto de normas, a SBCP pretende também salientar a relevância das cirurgias plásticas, que crescem a cada ano no país. “Por conta da banalização do procedimento, as pessoas acham que fazer plástica é como ir ao cabeleireiro - o que não é verdade”, reforça Souza Pinto.

Segundo a entidade, em 2009 foram realizadas 645.464 operações, 69% delas com fins estéticos e 31% de cirurgias reparadoras. Por dia, são feitoss 1.768 procedimentos - número que deve crescer 10% em 2011.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também